domingo, 29 de março de 2015

DOMINGO DE RAMOS



COMENTANDO A PALAVRA DE DEUS
COLETA DA SOLIDARIEDADE DA CF-2015
Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!

Com a celebração do Domingo de Ramos e da Paixão, entramos na Semana Santa. O que é a Semana Santa? Por que ela é tão importante na dinâmica do ano litúrgico?
          Na Semana Santa celebramos a História da Salvação de um Deus que se humilhou e tornou-se homem para caminhar conosco, conhecer a nossa história e nos apontar caminhos de vida. Mas não é só isso. No Getsêmani, Jesus experimenta uma grande tristeza e sente a dor da angústia. Suspenso entre o céu e a terra numa cruz, ele vive o doloroso abandono por parte do Pai. Enfrenta a traição de Judas que, com um beijo, o entrega aos seus inimigos. Pedro não o reconhece na presença de uma empregada. Os discípulos, seus amigos prediletos, fogem e o deixam sozinho nas mãos dos soldados. A condenação forjada é tramada para eliminar sua pessoa e os desígnios de Deus nele manifestos. Jesus, o Servo Sofredor, despido de toda dignidade é reduzido a um farrapo humano. Ele assume e faz seus todos os sofrimentos. Em sua morte e ressurreição, estão presentes todos os sofrimentos humanos.
          Façamos um minutinho de silêncio, olhemos para dentro de nós, até as entranhas de nossa intimidade, de nossa consciência. Depois olhemos ao nosso redor. Existem situações parecidas com as de Jesus em nossas relações humanas: sociais, eclesiais, políticas, familiares? Por acaso não sou também eu responsável por determinadas traições, exclusões, condenações injustas, que gritam fortemente em algumas pessoas de minhas relações e, que me remetem a situações de nudez, constrangimento, flagelo, dor, solidão e farrapo humano, a exemplo do Mestre? Um bom exame de consciência, com toda a honestidade e transparência talvez nos surpreenda... Mas ainda há tempo de mudar!
          A Semana Santa, tempo de comunhão e solidariedade com e em Jesus, é um tempo santo e precioso para entrarmos na História da Salvação e da Libertação. Somos convidados a tomar parte nesta história como agentes, como discípulos missionários, não permitindo que o pecado, que levou Jesus à morte e ainda destrói tantas vidas, invada o nosso ser e o nosso agir.
          Nesta Semana, meditamos o Evangelho de Jesus, contemplamos sua prática, acolhemos sua proposta de doação e partilha, entramos em sua atitude de obediência ao Pai e de serviço à humanidade.
          A Palavra que ouvimos na celebração deste Domingo de Ramos e da Paixão é muito forte. Ela nos confronta com nossa própria fé, com o modo como a vivemos e testemunhamos. No Evangelho que segue a bênção dos ramos, vemos Jesus a caminho de Jerusalém. Em que ponto deste caminho nós estamos? Estamos à frente, atrás ou nos mantemos a beira da estrada? Exultamos convictos: “bendito o que vem em nome do Senhor” ou o fazemos superficialmente, levados pelo “embalo da multidão”?
          Não basta clamar “bendito o que vem em nome do Senhor”. Urge agir e ser para que efetivamente haja espaço para ele se tornar presente em nossa sociedade. Há várias formas de buscar que isto se realize, uma delas é nos fazermos portadores da paz, que é fruto da justiça. É assumir, apesar de todas as pedras no caminho, o chamado que nos é feito e, a exemplo do servo sofredor, poder dizer: “não lhe resisti nem voltei atrás... sei que não sairei humilhado”.
          Esta certeza nos é reforçada pelo próprio Cristo que se esvaziou, se humilhou e depois foi por Deus Pai exaltado. Participar da Eucaristia significa viver o mistério de Jesus Cristo em sua totalidade. Neste Domingo de Ramos, porém, somos chamados a viver mais intensamente sua paixão e morte e, com o hino da Campanha da Fraternidade, reafirmar: “Quero uma Igreja solidária, servidora e missionária, que anuncia e saiba ouvir. A lutar por dignidade, por justiça e igualdade, por ‘EU VIM PARA SERVIR’ (Mc 10,45).
          O evangelho da Paixão nos conduz à contemplação. O sofrimento intenso de Jesus nos faz ver o quanto o projeto de amor e paz que ele trouxe entra em choque com o contexto mundano. A grande lição da Paixão é a paciência em meio às provações. Dedução muito fácil de fazer, mas difícil de pôr em prática. Somos convidados à firmeza de Jesus em meio às contrariedades.
          É preciso fazer o mesmo que fez Paulo, que não hesitou em recomendar a contemplação do próprio mistério da kénosis para animar a vida quotidiana dos cristãos. A humildade, à imagem do Cristo, contribui para a qualidade de vida entre os membros da comunidade. “Tende um mesmo amor, numa só alma, num só pensamento; nada façais por competição e vanglória, mas com humildade, julgando os outros como superiores a si mesmo, não visando ao próprio interesse, mas ao dos outros. Tende em vós o mesmo sentimento de Cristo Jesus” (Fl 2,2-5).
          Unidos com toda a Igreja no Brasil, concluímos neste domingo a primeira etapa da Campanha da Fraternidade 2015, FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE. “Eu vim para Servir” (cf. Mc 10,45). Além da nossa conscientização sobre o problema, os desafios e as perspectivas de uma sociedade enferma, injusta e corrupta em nosso país, é o dia de realizarmos o gesto concreto, pois a CF se expressa concretamente pela oferta de doações em dinheiro, na Coleta da Solidariedade. Trata-se de um gesto concreto de fraternidade, partilha e solidariedade, feito em âmbito nacional, em todas as comunidades cristãs, paróquias e dioceses. A Coleta da Solidariedade é parte integrante da Campanha da Fraternidade. O gesto fraterno da oferta tem um caráter de conversão quaresmal, condição para que advenha um novo tempo marcado pelo amor e pela valorização da vida.
          Possamos viver intensamente, a começar das celebrações do Domingo de Ramos e da Paixão as riquezas de toda a Semana Santa, especialmente do Tríduo Pascal! Levemos no envelope da Coleta da Solidariedade, os frutos saborosos de nossos exercícios quaresmais de penitência, como o jejum e a abstinência. Pensemos naqueles que têm menos do que nós e sejamos generosos e honestos diante de nossa consciência, de Deus e da Comunidade!

Desejando-lhes abençoada Semana Santa, com ternura e gratidão, o abraço amigo e fiel,
Pe. Gilberto Kasper
(Ler Mc 11,1-10; Is 50,4-7; Sl 21(22); Fl 2,6-11 e Mc 15,1-39).
Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Março de 2015, pp. 93-98 e Roteiros Homiléticos da Quaresma de 2015 da CNBB, pp. 60-67.



domingo, 22 de março de 2015

QUINTO DOMINGO DA QUARESMA

COMENTANDO A PALAVRA DE DEUS
Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!

            Estamos chegando ao final da Quaresma. No próximo domingo iniciaremos a Semana Santa com o Domingo de Ramos. Neste dia, também concluiremos a primeira etapa da Campanha da Fraternidade 2015: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE. “Eu vim para servir” (Mc 10,45). Com o gesto concreto da coleta manifestamos nossa atitude de partilha e solidariedade.
          A Coleta da Solidariedade do próximo domingo será o resultado de nossos exercícios quaresmais de penitência, certamente frutos saborosos de nosso jejum e abstinência ao longo deste rico tempo de conversão. Partilharemos de nossa Pobreza com quem tem menos do que nós. Tudo aquilo que deixamos de consumir durante a Quaresma será oferta agradável ao coração de Deus, através de nossas Comunidades de Fé, que enviarão toda a coleta à Cúria Metropolitana, que a destinará aos projetos, sobretudo relacionados aos irmãos menos favorecidos. Do total desta coleta 40% serão enviados à CNBB e 60% serão administrados pela Arquidiocese, que sempre faz a devida prestação de contas divulgada no site da mesma: www.arquidioceserp.org.br.
          Na celebração do Quinto Domingo da Quaresma somos convidados a ver Jesus em sua missão recebida do Pai. Seguimos os passos dos gregos que subiram a Jerusalém para adorar a Deus. Mas eles querem ver Jesus. O que significa ver Jesus? Por que ver Jesus? Ver Jesus é compreender sua atitude e desvendar seu projeto. Jesus mesmo o explica, fazendo uma meditação sobre a “hora”.
          “Hora” é o final de sua vida terrestre. Tudo caminha para essa hora. A “hora” é o momento no qual o amor gratuito de Deus, materializado em seu carinho pelos pobres, encontra-se com a força social e religiosa que o rejeita: o pecado. Esse conflito expressa-se na cruz. Por isso, a cruz é levantada como denúncia daquilo que leva Jesus à morte e como testemunho de sua entrega de amor.
          Na primeira leitura temos a profecia de Jeremias sobre a nova aliança a qual nós vivemos hoje. Em Cristo repousa a nova aliança. Para estar nessa aliança, precisamos da força pascal do Cristo. Essa força nós recebemos no Batismo e continuamos recebendo na celebração dos sacramentos e na oração da Igreja: é o Espírito de Cristo, a lei da nova aliança, escrita no coração de cada um de nós.
          Em Hebreus, colhemos uma lição preciosa: Jesus não é um senhor sentado nos palácios, desligado da situação real das pessoas. Jesus não permaneceu nos céus, contemplando as nossas angústias, mas tornou-se companheiro de viagem. Percorreu o caminho da humilhação e da morte. Por tudo isso, podemos confiar nele e aceitar o convite que nos faz para sermos discípulos missionários. Dessa forma, a segunda leitura nos convida a seguir o mesmo caminho de Cristo, um caminho semeado de dificuldades. Ele, porém, o percorreu antes de nós e por isso compreende nossas dificuldades e incertezas, nossos receios e fraquezas.
          E a nossa presença junto aos que sofrem, aos enfermos, idosos, como vai? Somos como Jesus, uma “Igreja do Ir” ao encontro das pessoas, ou nossa Pastoral e Ministério se resumem em celebrar com os que vêm, quando não excluímos os que não preenchem nosso “legalismo”?
            O episódio do evangelho de hoje situa-se entre a ressurreição de Lázaro e a última Ceia, segundo o quarto Evangelho. A agressividade dos adversários de Jesus chegou ao auge. A Paixão já é tramada nos gabinetes. Os sumos sacerdotes haviam dado ordens: Se alguém soubesse onde Jesus estava, o indicasse, para que o prendessem (João 11,57). Prenderam-no por pura inveja!
          No evangelho, no entanto, Jesus convida seus discípulos a seguirem o gesto prudente do agricultor que semeia. Diz-lhes para não terem medo de perder a própria vida, porque quem morre por amor entra na glória de Deus. O evangelho interpreta a morte de Jesus como uma manifestação de seu amor. Para ele o homem cresce e se realiza somente quando ama, ou seja, quando doa sua vida pelos irmãos.
          Para Cristo, o homem atinge o ponto mais alto da realização de sua vida quando se entrega à morte por amor aos seus.
          Penso ser urgente revermos o verdadeiro sentido da morte em nossos dias. Não obstante vivamos e promovamos certa Cultura de Morte, insensibilizados com as dezenas de mortes assistidas diariamente em nossos telejornais, ela, a morte, é ao mesmo tempo um tabu, na medida em que passa dentro de nossa casa ou por perto dela. Não acredito que alguém morra na véspera ou atrasado. Mas quantas pessoas têm direito a uma morte digna, quando nossa Sociedade se encontra falida, sem que nossos governantes consigam atender dignamente a todos que deles dependem? Se antigamente as pessoas morriam no aconchego do carinho da família, hoje é submetida a morrer sozinha na frieza de CTIs - Centros de Terapia Intensiva ou em corredores de hospitais superlotados, principalmente quando não há convênios ou quando tais moribundos dependem exclusivamente do SUS – Sistema Único de Saúde, que serve de modelo para países economicamente desenvolvidos, mas não serve os filhos da própria nação. Não é deste tipo de morte que o Evangelho deste domingo fala. Se Jesus veio para curar e fazer o bem, certamente não aprovaria o que se passa nos bastidores de nossa precária e corrompida Política Pública de uma Sociedade que alimenta seu capitalismo selvagem com a miséria de milhões de filhos de Deus, prometida, de eleição em eleição, tornar-se a melhor do mundo, mas que de governo em governo envergonha nossa nação. Há os tipos de mortes que nos santificam, como: gestos de ternura, delicadeza, gratidão, reconhecimento, abrir mão de privilégios em favor do próximo, etc. Se soubéssemos aproveitar tais oportunidades, seguramente seríamos bem mais humanos e configurados com Cristo, que nos convida a passarmos por tais experiências, promovendo-nos mutuamente em tudo.
          O homem quer frutificar sem morrer, mas é impossível. Jesus aceita ser grão que morre debaixo da terra para dar fruto abundante. Em Jesus se dão as mãos duas realidades fortemente antagônicas: a morte e a fecundidade. Na conjunção de perder o mundo para ganhar o mundo resume-se o mistério pascal de Jesus Cristo.

            Precisamos aprender a lidar melhor com a morte, a fim de estarmos prontos no dia em que nosso nome ecoar na eternidade. Cada morte que passa por nós, poderá ser um novo esforço a melhorarmos nossa qualidade de vida!
          Desejando-lhes abundantes bênçãos, com ternura e gratidão o abraço amigo e fiel,
Pe. Gilberto Kasper
(Ler: Jr 31,31-34; Sl 50(51); Hb 5,7-9 e Jo 12,20-33)
Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Março de 2015, pp. 73-76 e Roteiros Homiléticos da Quaresma de 2015 da CNBB, pp. 53-59.


sábado, 28 de fevereiro de 2015

SEGUNDO DOMINGO DA QUARESMA



COMENTANDO A PALAVRA DE DEUS
Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!
A Palavra de Deus do Segundo Domingo da Quaresma nos permite uma espiadinha no céu, através do evento da Transfiguração do Senhor diante de três discípulos: Pedro, Tiago e João na Montanha Sagrada.
A página do Livro de Gênesis nos leva a pensar que, de quando em vez, Deus brinca conosco. Não é possível à nossa razão, um Deus de Amor pedir a Abraão, que sacrifique seu próprio filho. Mas não é brincadeira de Deus, e sim uma pedagógica provação da maturidade da fé. Será que somos realmente fiéis à Aliança que Deus selou conosco? É lógico que Ele não quer sacrifícios, muito menos de vidas, mas fidelidade. O holocausto Ele já tem preparado; é Seu Filho Amado. Por isso, o episódio narrado em Gênesis de hoje, remete-nos à Paixão e Morte de Jesus na cruz.
            As provações que a vida nos impõe, ou amadurecem nossa fé em Deus, ou nos revoltam e afastam d’Ele. Sempre dependerá de nossa eleição pessoal.
            Ao nosso redor, tantas coisas mexem com o coração e desafiam a nossa fé. Tantas pessoas que se afastaram das nossas comunidades. Milhões de crianças que moram nas ruas, na mais triste pobreza. Tantos jovens entregues às drogas.


É incontável a fila de irmãos e irmãs que passam fome e não tem casa para morar. Entre os poderosos e donos do dinheiro imperam o egoísmo, a concentração de poder, os privilégios. São milhões os sobrantes e excluídos da mesa da vida, no dizer dos Bispos em Aparecida.
            O que essa situação tem a ver com a nossa preparação para a festa da Páscoa e com o evangelho da Transfiguração de Jesus.
            Como a narrativa da Transfiguração está no centro do Evangelho de Marcos, o evangelista quer responder a uma pergunta bem concreta: Quem é Jesus? O povo vai descobrindo que ele é o Messias. Mas não um Messias milagreiro, rei glorioso, vencedor, rico, poderoso, capaz de mudar rapidamente a condição da humanidade e fazer acontecer num rito mágico a presença do Reino. Pedro, na montanha, tem essa idéia e acredita que o reino, simbolizado nas três tendas, pode acontecer sem a doação, sem os sacrifícios, sem a morte e a entrega da vida.
Hoje, nas filosofias do mundo, somos contaminados por falsas expectativas como as presentes na conversa de Pedro na montanha. Ter fé significa entrar nos desígnios de Deus que frutifica na solidariedade com os irmãos. A doação na força da páscoa de Jesus nos transfigura por dentro e por fora. Transforma a situação e a realidade dos abandonados e dos privados do necessário para viver e cantar a vida: saúde, pão, terra, casa, salário digno, respeito e amor pela vida...
            A fome do irmão, as crianças abandonadas nas ruas, as violências ao ser humano são chamadas de Jesus para subirmos com ele a um monte alto e entrarmos nos desígnios de Deus Pai, depois descermos da montanha e fazermos a nossa parte. Páscoa é isso: passagem de situações de menos vida para situações de mais vida, de situações de pobreza e miséria para uma vida digna, bonita, feliz e realizada para todos.
            Na leitura da carta aos Romanos, aprendemos que o amor de Deus Pai é imenso, gratuito, generoso, infinito e que não pode ser destruído por nenhuma quebra da aliança ou infidelidade por parte do ser humano.
            Acolhamos o convite deste Segundo Domingo da Quaresma, deixando-nos transfigurar com Jesus e, também transfigurarmos a vida desfigurada de nossos irmãos cuja dignidade lhes foi tirada por conta do consumismo, do hedonismo e do egoísta individualismo.
            Debrucemos nossa esperança sobre a possibilidade de dias melhores. Uma das mais edificantes visitas que fiz, nos meus 25 anos de ministério ordenado, foi há algum tempo: entrando no quarto de um irmão enfermo pensei: Este moço é um santo!... A santidade dele se fazia sentir naquele quarto. Nem bem terminara de pensar, a irmã que cuida dele, disse em voz alta: “Padre, este meu irmão é um santo. E tem mais: ele me ensina a santidade... faz 57 anos que ele se encontra acamado e sempre sorridente e agradecido a Deus. Nunca meu irmão reclamou de nada...”

Diante daquela realidade, do semblante sereno e agradecido do moço, senti muita vergonha pelas vezes em que reclamei da vida. Isso não significa que devamos ficar passivos à precária Saúde Pública, que não raras vezes trata das pessoas como se fossem bichinhos. Todos somos conclamados a promover a dignidade e rezar com a Campanha da Fraternidade “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45).

            Desejando-lhes muitas bênçãos e saúde, com ternura e gratidão o abraço amigo e fiel,
Pe. Gilberto kasper
(Ler Gn 22,1-2.9-13.15-18; Sl 115(116B); Rm 8,31-34 e Mc 9,2-10)
Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Março de 2015, pp. 17-20 e Roteiros Homiléticos da CNBB da Quaresma de 2015, pp. 27-35.


sábado, 14 de fevereiro de 2015

SEXTO DOMINGO DO TEMPO COMUM


COMENTANDO A PALAVRA DE DEUS
  

Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!

            Se puder escolher duas palavrinhas centrais que nos remetem à Palavra de Deus proclamada neste Sexto Domingo do Tempo Comum, seria: Compaixão e Dignidade! Trata-se de uma Compaixão Especial e de uma Dignidade Integral! Não uma dó apenas, e nem uma esmolinha a quem se encontra em dificuldades, principalmente portadores de doenças contagiosas, incuráveis, como a lepra! Tanto a Compaixão como a Dignidade implicam em compromisso. Da dó passamos a comprometer-nos com a pessoa necessitada e sofredora.
          O Profeta Eliseu indica o caminho a Naamã que o procura para curá-lo de sua lepra. O Profeta não é milagreiro. Faz com que o enfermo faça sua parte; participe do processo de sua própria cura. De acordo com a página do Segundo Livro dos Reis, basta que Naamã se banhe sete vezes no Rio Jordão para adquirir a cura. Mas Naamã, ao invés, esperava algo de mão-beijada. Um milagre mais espetaculoso do que espetacular. Mas ouvindo seus servos, Naamã fez o que Eliseu lhe sugeriu e curou da lepra.
          Com frequência, também nós esperamos as coisas acontecerem ou corremos atrás de coisas espetaculosas. O espetacular é operado pelo próprio Criador, que deseja suas criaturas felizes e cheias de saúde, realizando-se com a dignidade que lhes é conferida, por serem as criaturas prediletas do próprio Deus. O grande espetáculo do milagre Deus já operou; basta que nos demos conta disso e vivamos de acordo com a Vontade de Deus para conosco, que não é outra, do que nossa própria felicidade e realização plena. Ir ao Rio Jordão hoje, significa ir ao médico, confiar nele, tomar os remédios e seguir suas orientações. Quem espera curas milagreiras, sem participar do processo do restabelecimento da saúde, acaba frustrado, porque Deus não é mágico e nós não somos suas petecas, porém suas criaturas prediletas, convidadas a colaborar na administração das curas de nossas enfermidades, sobretudo, da lepra do pecado!
  

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão,
tocou no leproso e disse:
‘Eu quero: fica curado!’” (cf. Mc 1,41).

            O Evangelho de São Marcos determina uma das principais atividades ministeriais da Missão de Jesus: com compaixão, devolver a dignidade aos enfermos, sobretudo aos excluídos da convivência social, por causa de suas doenças contagiosas, como no caso da lepra. O processo da cura começa com a vontade da pessoa de querer a saúde!
O querer a cura, implica em ter fé, confiança e disponibilidade de pedir: “Se queres, tens o poder de curar-me”. Ao perceber a fé de quem pede, Jesus imediatamente age com compaixão, respondendo: “Eu quero: fica curado!”. Muitos de nós, ao sentirmo-nos curados, damos por encerrado o processo. Não é bem assim. Jesus pede que as formalidades preceituais sejam cumpridas. Mais do que fazer promessas e até mesmo cumpri-las depois, Jesus espera engajamento na Comunidade de Fé, na Comunidade Eclesial, no Compromisso e no Testemunho de ternura, amor, compaixão e misericórdia para com os demais enfermos em nossas relações. Implica, também, em zelarmos por uma melhor qualidade de vida. Sem nossa efetiva participação, nada acontece. Somos os protagonistas de nossa própria saúde ou de nossas enfermidades.
            São Paulo, ao escrever sua Primeira Carta à Comunidade de Corinto nos indica como melhor agir, para que também nossas Comunidades gozem de saúde. A cura individual não combina com o cristianismo. Somos responsáveis pela saúde da Comunidade à qual somos inseridos. “Fazer tudo para a glória de Deus... Procurar agradar a todos em tudo, não buscando apenas o que é vantajoso para nós mesmos, mas para todos...”. Lembro-me bem dos três pecados paroquiais, que nosso saudoso Dom Arnaldo Ribeiro, sempre elencava em suas Visitas Pastorais, e que precisam ser superados: saudosismo, milindrismo e estrelismo. E a pior lepra a ser curada em nossas atividades ministeriais, pastorais e missionárias é a inveja, ao lado de outras como: carreirismo, competição entre agentes e clérigos, indiferença e insensibilidade com o bem-estar da Comunidade, omissão, hipocrisia, fofocas caluniosas, falta de transparência, para não dizer mentiras descabidas e a aguda falta de humildade!


“Deus seu povo visita,
seu povo meu Deus visitou!” (cf. Lc 7,16).


         
O médico que cura as enfermidades de nossas Comunidades é o próprio Cristo Jesus! Se não desviarmos nosso olhar, nosso coração, nosso discurso, nossas atividades pastorais do Messias, seremos saudáveis e protagonistas de Compaixão e de Dignidade num mundo que está simplesmente doente! Com a Campanha da Fraternidade deste ano, possamos colaborar para com a FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE – Eu vim para servir (cf. Mc 10,45).
          Sejam todos muito abençoados. Com ternura e gratidão, o abraço fiel.
Pe. Gilberto Kasper

(Ler 2 Rs 5,9-14; Sl 31(32); 1Cor 10,31-11,1 e Mc 1,40-45).

Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Fevereiro de 2015, pp. 55-58 e Roteiros Homiléticos da CNBB de Fevereiro de 2015, pp. 95-100.