sábado, 31 de dezembro de 2011

Ano novo vida nova!!!



Ano novo vida nova!!!
Assim diz o ditado popular, e assim esperamos, e desejamos com muita alegria no coração.
Após celebrar o Natal, a festa do nascimento de Deus feito homem, a Igreja inicia a celebração do rito da esperança, ou seja, ela se une a nós no desejo e na espera de um futuro melhor, de um mundo centrado na Paz, no amor, na fraternidade, enfim, de um mundo mais cristão.
Inicia-se agora o Ano Novo, um novo dom de Deus para nós, uma nova oportunidade que o Senhor nos dá para deixar que o Seu plano se realize em nossas vidas, para que o Reino de Deus possa estar em nós, pois, Deus quer construir uma nova vida em nós, que habitar em nós, quer que a nossa história tenha um significado dentro da Sua história de Salvação; Deus quer entendamos o seu projeto de amor em nossas vidas e o coloquemos em prática.
Gosto de olhar o tempo de forma teológica, sabendo que para Deus, não existe presente, passado ou futuro, porque Deus é o Eterno Presente, e que o tempo ( Kronos ) existe só para nós que somos seres limitados e condicionados, e assim estendendo esta reflexão, percebo que o tempo é Sagrado, é um presente de Deus para nós, no qual, Deus quer entrar na história, na nossa história pessoal, a qual não é uma série de acontecimentos desconectados uns dos outros, que se desenrolam sem significado, mas pelo contrário, este tempo (kairós) é o espaço que Deus nos da para realizar o seu plano, de forma que cada um de nós possa se abrir ao Infinito, a Deus que se fez Carne e habitou entre nós, para que seja Ele diretamente o agente em nossa vida, em nosso tempo.
Busquemos neste Ano Novo a Vontade do Pai!!!! Só nela está a nossa completa Felicidade!!!!
Acredito profundamente que “tudo caminha para o bem daqueles que amam a Deus!” e se buscamos a Vontade do Senhor em nossa vida, com sinceridade, mesmo que erramos, o Senhor a um certo momento entra na nossa história e faz com que a Sua vontade seja feita em nós, porque é Ele o Senhor da história, é Ele que tem o mundo em Suas mãos, e não nós!
Devemos apenas ter o cuidado para não jogar fora à obra que o Senhor deseja realizar em nós, e por isso devemos colaborar com Ele. Don Tonino Bello um grande bispo da Igreja, em uma de suas homilias para as famílias, dizia: “Caros amigos, jogai bem o jogo da vida, porque agora já estamos no segundo tempo!”
Contudo, a Igreja que é a nossa Mãe e Mestra, consagra este início de ano, a Santa Mãe de Deus, a Virgem Maria, e por isso nos propõem o exemplo de Maria, que meditava todas as coisas no coração, que se deixava conduzir pelos ensinamentos de Deus, que buscava cada dia, nos acontecimentos de sua vida perceber o que Deus queria lhe dizer.
Maria Santíssima meditava e guardava todas as coisas no coração!
Literalmente traduzindo estas palavras “meditava e guardava em seu coração”, significam que Nossa Senhora, não só refletia sobre os acontecimentos, buscando ver neles a Vontade do Pai, mas, sobretudo, se apropriava da palavra e das promessas que o Senhor lhe havia feito, e como alguém que recorta trechos e palavras de um artigo, para colá-los em uma folha, e tê-los como centro estrutural deste novo texto, assim fazia Maria Santíssima com a Palavra de Deus em seu coração, em sua vida.
A exemplo de Nossa Senhora, somos chamados a colocar em nosso coração os vários trechos dos ensinamentos de Deus, e costurá-los em nossa vida, para realizar o Plano que Deus tem para nós neste ano.
Olhando para trás, sonhamos e esperamos um mundo melhor, o qual podemos construí-lo com a nossa vida e com nosso exemplo, de modo que nos tornemos portadores da Paz, da Esperança!
Lembro-me agora de uma mensagem de Nossa Senhora Rainha da Paz que diz: (…) O fruto do Amor é o Perdão, e o fruto do Perdão é a Paz!!! (…)”.
Lembremos que este ano que inicia, é uma nova página do livro de nossa vida, no qual podemos deixar Deus escrever, e também escrevermos o que Deus quer, deixando que a vontade de Deus seja acolhida em nossa alma e em nosso coração, como fez Maria Santíssima, que invocamos a intercessão sobre nós!
Gostaria de invocar sobre nós também, a intercessão de Dom Bosco, que olhando alguns garotos que andavam em cima da corda bamba, disse a um padre de sua congregação: “Meu segredo desde o tempo de garoto, foi este, nunca olhar para trás, para não me prender às imagens que já passaram; nunca olhar para os lados, para não me distrair com o barulho ao me redor; e nunca olhar para o vazio abaixo dos meus pés, mas sempre olhar para frente, com os olhos fixos e a atenção voltada para o Senhor!” Que possamos também nós aprender a caminhar na “corda bamba” de nossa vida, com o olhar sempre fixo no Senhor!
Que também nós, guiados por Maria Imaculada, seguindo o seu exemplo de fé, e ajudados por Dom Bosco, possamos ter um ano cheio de esperança e abandono no Senhor!
Que Maria, Rainha da Paz, nos abençoe!!!!
Deixo-lhes a bênção do Senhor:
“O Senhor vos abençoe e vos guarde.
O Senhor vos mostre o Seu rosto e tenha Misericórdia de vós.
O Senhor volte para vós o Seu rosto e vos dê a Sua Paz.
O Senhor vos abençoe.
Em Nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém!”
Caminhem e permaneçam na paz, pois ela é o maior dom que temos. E sobre tudo tenham esperança em Cristo Jesus, Nosso Senhor!

PE. MATEUS MARIA, FMDJ MOSTEIRO REGINA PACIS
[Fonte: Atualização de artigo de 31.12.2008, no site rainhamaria.com.br]

SOLENIDADE DE SANTA MARIA MÃE DE DEUS


DIA MUNDIAL DA PAZ
Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!



Iniciamos o ano civil – 1º de janeiro – Dia Mundial da Paz – com a Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus!
“Somos acolhidos por Maria, Mãe de Deus e Mãe da Paz, e pedimos que ela nos acompanhe ao longo de todo este ano. Neste Dia Mundial da Paz, queremos nos comprometer com a paz, para que ela faça parte de nosso dia a dia. Para isso precisamos – o Papa nos alerta – ‘educar os jovens para a justiça e para a paz’.
O povo pode contar sempre com as bênçãos de Deus. A maior bênção é a vinda do seu filho, graças ao sim de Maria. A exemplo dos pastores, deixemos nosso comodismo e busquemos Jesus, o Príncipe da Paz!
Deus quer nos abençoar ao longo de todo este ano (Ler Nm 6,22-27). Os pastores, gente pobre e desprezada, são os primeiros a ir ao encontro do recém-nascido (Ler Lc 2,16-21). Deus conta com a colaboração humana para realizar seus projetos (Ler Gl 4,4-7).
A exemplo de Maria, humilde serva do Senhor e bendita entre as mulheres cantemos um hino de ação de graças ao Pai, que nos cumulou de bens por meio de seu Filho, Jesus. Com o pão e o vinho, ofertamos nosso desejo de um bom ano para todos” (cf. Liturgia Diária de Janeiro de 2012 da Paulus, pp. 17-19).

“Quanto a Maria, guardava todos esses fatos
e meditava sobre eles em seu coração” (Lc 2,19).


“A celebração da Solenidade de Santa Maria, sob o título de Mãe de Deus – para a tradição Oriental ‘Theotokos’ – é a festa mariana mais antiga para o rito romano, de que temos notícia. Nasceu como celebração da oitava do Natal e a reforma conciliar lhe preservou, recuperando seu sentido mais genuíno.
Os cristãos e cristãs assumem na celebração de 1º de janeiro, no calendário civil, a comemoração da Paz Universal, entendendo que a paz é a nota característica do Reinado que Cristo Jesus inaugurou por sua natividade.
O que significa esta celebração para nós e para o mundo no qual vivemos? A bênção de Araão, mudando toda nossa compreensão e atuação, preside nossa consciência e dirige nossas ações:
‘O Senhor te abençoe e te guarde!
O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face e se compadeça de ti!
O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz!’


O caráter mariano desta celebração liga-se ao fato, de que a salvação eterna é conferida à humanidade inteira. Uma vez habitando o ventre de uma mulher e dela nascendo, a salvação nos alcança e transforma por dentro, elevando à mais alta dignidade a nossa humanidade. Por isso se poderá dizer que quanto mais humanos formos, mais divinos estaremos nos tornando. Mas não por mérito nosso ou razões humanas, mas pelo querer de Deus. Afinal, é do seio de uma ‘Virgem’ que nos vem tão grande evento.
O mundo novo que nos vem pelo Príncipe da Paz é constituído por homens e mulheres novos, humanizados por Deus, por sua Palavra, por seu agir, por sua presença. No início do ano civil, dia dedicado a honrar a paz, é salutar nos deixar interpelar por um Deus que pergunta a quantas anda nossa humanidade. Num tempo em que é tão propício e comum exteriorizar votos de prosperidade, cai bem verificar se o centro vital do homem e da mulher de hoje estão novos, resplendentes” (cf. Roteiros Homiléticos do Tempo do Natal In Projeto Nacional de Evangelização 19 – O Brasil na Missão Continental da CNBB, pp. 51-56).
Reconhecer Maria, Mãe de Deus significa acolhê-la como nossa Mãezinha também. Gosto de pensar que Deus viu o quanto é bom ter uma mãe, e quis também, uma para ele. A Mãe de Deus nos toma pela mão e nos conduz, através de seu Filho, Jesus ao próprio Deus, nosso Pai e Criador! E é ela que nos incentiva a sermos da Paz! Como toda mãe, Nossa Senhora faz de tudo, para que vivamos, em nossas relações, a Paz!
Finalmente a celebração de Santa Maria, Mãe de Deus e o Dia Mundial da Paz nos conclamam a humanizarmos mais as pessoas, enquanto tantos, por conta do egoísmo, da ganância, da inveja, do carreirismo, da arrogância e da prepotência (bem explícitos na figura de Herodes), animalizam as pessoas de suas relações, principalmente aqueles que detém algum “cargo público ou até mesmo eclesial”. Estes, “são somente fortes diante dos fracos e fracos diante dos fortes” – pura covardia. Iniciemos o novo ano, exercendo nossa cidadania, promovendo profeticamente a dignidade humana das pessoas! É ano eleitoral: não sejamos omissos na formação de consciência política crítica. Não vendamos nossa honra e muito menos nossos princípios éticos e moral, como o voto, por exemplo.
Desejando-lhes muitas bênçãos e um Novo Ano cheio de novas Esperanças, com ternura e gratidão, o abraço amigo,

Pe. Gilberto Kasper

REFLEXÃO PARA A SOLENIDADE DA SAGRADA FAMÍLIA


Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!


“Um menino nasceu para nós: um filho nos foi dado!
O poder repousa nos seus ombros.
Ele será chamado mensageiro do conselho de Deus”
(Is 9,6).


Como é bom celebrarmos a Solenidade da Sagrada Família diante de uma das prioridades do Plano de Pastoral de nossa Arquidiocese de Ribeirão Preto, A Família!
“Neste dia da Sagrada Família, celebramos em comunhão com todas as nossas famílias. Elas são convidadas a imitar e encarnar os valores propostos pela família de Jesus, Maria e José. A Sagrada Família é exemplo de obediência à vontade de Deus.
A liturgia da palavra nos mostra o projeto de Deus para nossas famílias. Acolher a palavra significa deixar-nos iluminar por ela e traçar nossos caminhos segundo sua proposta.
Deus nosso Pai, vós quisestes habitar numa família humana.
Abençoai os pais, as mães e os filhos.
Afastai de nossas famílias todos os males.
Ajudai-nos a promover nas famílias,
em todos os lares de nosso país,
os sentimentos e os propósitos de união,
amor generoso, fidelidade permanente e
perseverança constante na vossa graça.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.”


(cf. Liturgia Diária de Dezembro de 2011 da Paulus, pp. 85-87).
“A Solenidade do Natal do Senhor se prolonga e se desdobra em várias comemorações que ajudam a aprofundar o mistério da encarnação. Todas essas, em íntima conexão com o nascimento do Filho de Deus, revelam aspectos importantes de um único acontecimento: Deus se fez um de nós. É dentro deste horizonte que situa-se a Festa da Sagrada Família. No Evangelho, Maria e José se encaminham para Jerusalém a fim de cumprir os preceitos da lei: apresentar o primogênito, oferecer sacrifícios, purificar a mãe... O Filho de Deus nasceu sujeito à lei, para resgatar aqueles que estavam submetidos à lei (cf. Gl 4,4). Significa dizer: Deus vem ao encontro da vida humana por inteiro, não se isentando de participar de nada, somente do pecado, para, em contrapartida conceder a todos a participação na vida divina. Os antigos chamavam isso de sacrum comercium, isto é, sagrado comércio, ou divina troca: Deus entra em comunhão com a vida humana para possibilitar aos seres humanos entrar em comunhão com a vida divina. [...] Lembremos da gotinha de água (nossa mínima participação) misturada ao vinho no cálice (a máxima ação de Deus) na Preparação das Oferendas: ‘Pelo mistério desta água e deste vinho possamos participar da divindade de vosso Filho, que se dignou assumir nossa humanidade’ [...].
Maria e José, os pais de Jesus, levam ao templo, lugar de encontro religioso com Deus, duas pombinhas. É a oferenda dos pobres, a expressão religiosa de sua condição e pequenez. É no meio dessa situação onde se situa o Filho de Deus. Na comunicação de dons a humanidade oferece aquilo que tem: fragilidade, pobreza, pequenez... Já Deus escolheu se encontrar com a humanidade no seio da família, é esse o lugar do encontro, profundamente humano e existencial, com a obra preferida de suas mãos. A nós ele oferece o seu Filho. A humanidade, figurada por Maria e José, Simeão e Ana, acolhe Jesus, que na economia da Nova Aliança vai salvar a humanidade do pecado e da morte.
Mas é no contexto litúrgico que se torna decisivo para a compreensão dos textos bíblicos: a Sagrada Família é a ‘lente hermenêutica’ proposta pelos textos eucológicos desta festa. A ela acorrem os pastores. É ela modelo de amor e de virtude para nossas famílias, bem como intercessora em favor das famílias que celebram o sacrifício de reconciliação. Mas a virtude e a piedade conduzem ao mistério da Igreja. As famílias terrestres, valor inestimável para as nossas comunidades, são sinais de outras realidades: a comunhão entre os irmãos e a comunhão com Deus que nos foi alcançada por Jesus. Os laços de amor aqui vividos no ambiente familiar, conduzem os fiéis às alegrias da casa de Deus. As famílias são firmadas na graça divina, e por intercessão de José e da Virgem, conservadas na paz de Deus (Ler Gn 15,1-6;21,1-3/Lc 2,22-40 e Hb 11,8.11-12.17-19).
A graça e a paz nos foram comunicadas no mistério de Cristo. Por sinal, esta é uma das saudações mais frequentes do início de nossas celebrações (cf. 1 Cor 1,3). As comunidades celebram periodicamente pedindo, como família cristã, pelas mesmas coisas que a liturgia desta festa suplica para as nossas famílias. A comunhão da Igreja encontra seu reflexo nos lares e vice-versa. Não é por acaso que, por longa tradição, os fiéis se nomeiam ‘irmãos e ‘irmãs’ uns dos outros, pois todos foram irmanados em Cristo, aquele que conviveu com os homens. A comunhão sacramental nos refaz para os embates da vida e nos associa à Sagrada Família” (cf. Roteiros Homiléticos do Tempo do Natal In Projeto Nacional de Evangelização 19 – O Brasil na Missão Continental da CNBB, pp. 46-50).
Enquanto a Cultura da Sobrevivência coloca a Família de bruços, engolindo-a com o tripé de contra valores: o consumismo, o hedonismo e o individualismo, a Solenidade da Sagrada Família nos conclama e incentiva a reerguê-la, devolvendo-lhe a necessária dignidade humana! Saibamos, a partir desta solenidade, reencontrar meios para ancorar nossa Família em valores essenciais, como o amor gratuito, a verdade, a justiça e a liberdade!
Em nossa Igreja Santo Antoninho, celebraremos a Solenidade da Sagrada Família no dia 31 de dezembro (sábado), às 19 horas, acolhendo através do Sacramento do Batismo um novo Filho de Deus, nascido do “útero da Igreja”, a Bacia Batismal, nosso irmão Fernando Ricardo Santos Martinez.
Desejando-lhes abençoado Ano de 2012, nossa ternura, gratidão e abraço cheio de novas esperanças!

Pe. Gilberto Kasper

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Convite para vida plena

Pertencemos a Deus, nosso Criador, Redentor e Santificador. O convite a uma vida de plena comunhão com Deus é feito a todos. Ele quer que sejamos santos e sua graça nos é oferecida. Buscar a santidade é percorrer um caminho de amor, fé e humildade, olhos fitos em Jesus, acreditando que, enquanto estivermos no tempo, estamos sujeitos a tentações e quedas. Mesmo assim, podemos confiar que todas as graças nos serão oferecidas. A busca da santidade pressupõe, também, conversão.
Jesus veio mostrar que a santidade de Deus é feita de amor, compaixão, perdão e misericórdia. Permanecer com Jesus é tornar-se discípulo missionário, amorosamente atento às suas palavras e ações; é assemelhar-se a Ele nos pensamentos, sentimentos e atitudes. Quem permanece com Jesus pode também sofrer um pouco do que Ele sofreu.
O mundo precisa do nosso testemunho. Sejamos, pois, santos e originais. Cada um da forma como percebe a presença de Deus em sua vida e assimila as graças. A busca da vida em plenitude tem início na família, no tempo e atenção que damos aos assuntos e práticas de espiritualidade. Há momentos no dia que são mais favoráveis, o amanhecer e o entardecer.
O final de cada dia vem acompanhado do convite para aquietar-se, recolher-se; agradecer a Deus as bênçãos recebidas; dar tempo para conversas e partilhas de vida com a família e as pessoas a quem amamos. A noite é convidativa para as brincadeiras, as rodas em volta da fogueira, aos serões, às canções, momentos de ternura e aconchego para as famílias que não colocam a TV em primeiro lugar. Você ainda tem esse costume? Pode até parecer nostalgia, mas é uma tradição bonita e que foi cedendo lugar ao usufruto dos meios eletrônicos e da globalização.
O final de um dia de vida ou de longos anos, também é acompanhado de bênçãos. O fato de alguns viverem apenas umas horas e outros, longos anos é um mistério que podemos, em atitude de amor e fé, acolher.
Em situações de doenças prolongadas, depois de algum acidente ou daquela chuvarada, que lava e leva até casas e plantações, onde muitos vislumbram apenas destruição e morte, ainda é possível perceber a vida, nos gestos dos familiares que se unem, das pessoas que despertam para a solidariedade, nas atitudes dos atingidos que despertam para a fé.
Vivamos de tal forma que, ao final de cada dia, estejamos preparados para acolher as bênçãos do sono.
Sendo inevitável deixarmos esse mundo, é sabedoria procurar pontos de vista que nos tornem serenos e confiantes. Coloquemos nossa esperança e confiança no Senhor, como o fez a compositora, Irmã Mirian Kolling em uma de suas canções: “Segurança, felicidade, eu encontro no Senhor. É Ele a minha rocha, meu Deus e meu libertador”.
Viemos do Coração amoroso de Deus e para Ele retornaremos. Deus conduz nossa vida, aqui na Terra e nos espera, de braços abertos, na eternidade feliz. Sabendo que nada de material levaremos desta vida, usemos os bens com sabedoria, desprendimento e generosidade, como bons administradores.
Jesus deu-nos claro exemplo de desapego aos bens terrenos. Do nascimento à morte, da manjedoura ao sepulcro, muito do que usava não lhe pertencia, era emprestado. Jesus buscava ocasiões de apresentar o amor, a ternura e a bondade do Pai, de mostrar que, para Deus tudo é possível. Mesmo assim, não resolveu todas as situações de sofrimento, não curou todas as doenças. Os milagres que fez foi para revelar alguma característica de Deus. Que Jesus continue sendo nosso amigo e inspiração para nossa vida!


Autor: Ir. Zuleides M. de Andrade, ASCJ

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

REFLEXÃO PARA A SOLENIDADE DO NATAL DO SENHOR




Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!
“Alegremo-nos todos no Senhor:
Hoje nasceu o Salvador do mundo,
Desceu do céu a verdadeira paz!”


Transcorridos muitos séculos desde que Deus criou o mundo
e fez o homem à sua imagem;
- séculos depois de haver cessado o dilúvio,
quando o Altíssimo fez resplandecer o arco-íris,
sinal de aliança e de paz;
- vinte e um séculos depois do nascimento de Abraão, nosso pai;
- treze séculos depois da saída de Israel do Egito sob a guia de Moisés;
- cerca de mil anos depois da unção de Davi como rei de Israel;
- na septuagésima quinta semana da profecia de Daniel;
- na nonagésima quarta Olimpíada de Atenas;
- no ano 752 da fundação de Roma;
- no ano 538 do edito de Ciro autorizando a volta do exílio
e a reconstrução de Jerusalém;
- no quadragésimo segundo ano do império de César Augusto,
enquanto reinava a paz sobre a terra, na sexta idade de mundo.
JESUS CRISTO DEUS ETERNO E FILHO DO ETERNO PAI,
querendo santificar o mundo com a sua vinda,
foi concebido por obra do Espírito Santo e se fez homem;
transcorridos nove meses nasceu da Virgem Maria em Belém de Judá.
Eis o Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo a natureza humana.
Venham, adoremos o Salvador.
Ele é Emanuel, Deus Conosco.
(Diretório Litúrgico da CNBB, p. 40
“Eu vos trago a boa-nova de uma grande alegria:
é que hoje vos nasceu o Salvador, Cristo, o Senhor” (Lc 2,10s).

Nossa Reflexão para a Solenidade do Natal do Senhor, tentará, resumidamente abordar as Celebrações da Noite de dia 24 e do Dia 25 de Dezembro!, procurar

Por isso, “Exultemos todos no Senhor: nasceu o salvador do mundo, do céu desceu a verdadeira paz e felicidade. Na fragilidade da criança, contemplamos a revelação de Deus na história da humanidade. Deus se encarna no humano para nos tornar mais divinos.
Todos somos convidados a formar coro com os anjos: glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra às pessoas de boa vontade. Jesus chegou até nós, trazendo-nos a salvação. Chegou a salvação dos pobres e oprimidos (Ler Is 9,1-6). Por meio de Jesus, Deus entra na história da humanidade para dela fazer parte (Ler Lc 2,1-14). A graça de Deus traz salvação a toda a humanidade (Ler Tt 2,11-14).
Cristo, que nasce pobre em Belém, está entre nós na simplicidade do pão que compartilhamos, dando graças ao Pai. Com Maria e os pastores, reconheçamos e adoremos nosso Senhor.
“Um menino nasceu para nós:
um filho nos foi dado!
O poder repousa nos seus ombros.
Ele será chamado mensageiro
do conselho de Deus” (Is 9,6).

As promessas de Deus se cumprem: um menino nasceu para nós; ele é o príncipe da paz e a luz que brilha para o mundo, afastando toda treva. Na fragilidade da criança, Deus se torna presente em nosso meio. A palavra se fez pessoa e veio morar junto conosco.
A luz se manifestou para iluminar os caminhos da humanidade, que anseia por paz e fraternidade. Acolhamos com alegria a palavra de Deus, força de vida e salvação. Deus vem trazer-nos paz e salvação (Ler Is 52,1-10). A palavra de Deus torna-se carne e habita entre nós (Ler Jo 1,1-18). Ele nos fala diretamente por meio de seu Filho (Ler Hb 1,1-6).
Louvemos o Pai porque, com a encarnação de seu Filho, possibilita o encontro do divino com o humano. A palavra eterna do amor de Deus se fez homem, e nós vimos brilhar a sua luz” (cf. Liturgia Diária de Dezembro de 2011 da Paulus, pp. 71-76).
Gosto muito da frase que se pronuncia, geralmente em voz baixa, durante o canto da preparação das oferendas na Missa, enquanto se coloca uma gota de água no cálice de vinho: “Pelo mistério desta água e deste vinho, possamos participar da divindade do vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade”. Penso que esta afirmação deveria ser dita em voz alta, pois sintetiza o evento do Natal do Senhor! Nossa participação de toda a História da Salvação é apenas uma gotinha de água, o mínimo, unicamente o esforço por acolher A palavra de Deus que se faz Pessoa igualzinha a nós em tudo, menos no pecado, remetendo-nos ao mais profundo conhecimento de Deus, na meiguice de um recém-nascido. Todo o resto Deus mesmo realiza em nós, na medida em que o permitimos agir!
“O mundo inteiro viu o salvador
que nos foi enviado por Deus” (Sl 97,3).

“A Natividade de Jesus, é uma festa antiga. Esta celebração deita suas raízes na veneração da gruta em que o Senhor nasceu. No rito romano, como liturgia orgânica e já instituída somente tem-se notícia a partir do século IV, quando aparece pela primeira vez a data de 25 de dezembro, segundo os testemunhos de um antigo documento chamado Cronógrafo Romano.
O que se celebra nesta liturgia é bem mais do que o aniversário do nascimento histórico de Jesus. É, em suma, a celebração de sua Páscoa vista sob a perspectiva de sua entrada no horizonte da história humana de modo inaudito e admirável, como sugere a bucólica cena do nascimento narrado no Evangelho de Lucas. Embora se possa (e deva!) localizar os feitos maravilhosos do Senhor no âmbito da história humana, que o ocidente convencionou consignar em ‘passado – presente – futuro’, a ação divina sempre precede e supera os nossos limites temporais e espaciais. Por isso, a liturgia divina quando celebrada se torna uma espécie de parêntesis no tempo cronológico, como momento da história da salvação que nos alcança aqui e agora, um acontecimento que deve ser lembrado em todo tempo e lugar.
A celebração da Natividade do Senhor é festa de sua manifestação na carne, isto é, Deus vindo ao encontro da humanidade como pessoa humana: ‘sob véus de humildade podemos ver’ o Deus invisível e eternal grandeza (Adeste Fidelis – Cristãos, vinde todos).
Para Agostinho, no século V, a celebração do Natal do Senhor não tinha sentido de sacramento, era a recordação da Natividade de Jesus. Para o bispo de Hipona, o único sacramento era a Páscoa, pela qual os seres humanos e a criação inteira tinham sido reintegrados à sua origem, que é o próprio Deus, sumo bem. Será Leão Magno, no mesmo século e alguns anos mais tarde quem encontrará o sentido mistérico e por isso, sacramental, do Natal do Senhor. Para ele, a Natividade, celebração da encarnação do Verbo, está intimamente ligada à Páscoa. É seu início, pois, quando a Igreja celebra esta solenidade, comemora o aspecto do novo nascimento dos fiéis para uma vida redimida: ‘No momento em que vosso Filho assume nossa fraqueza, a natureza humana recebe uma incomparável dignidade: ao tornar-se um de nós, nós nos tornamos eternos’. Fica evidenciado o aspecto sacramental e pascal do Natal do Senhor” (cf. Roteiros Homiléticos do Tempo do Natal In Projeto Nacional de Evangelização 19 – O Brasil na Missão Continental da CNBB, pp. 40-45).
Gosto de pensar como Deus dribla a humanidade, nascendo numa manjedoura, entre animais. Como se não bastasse, se permite anunciado em primeiro lugar aos mais simples dos simples: os pastores, durante uma fria madrugada. Talvez os únicos acordados naquela noite. Certamente os mais sensíveis e talvez os mais disponíveis para ouvir o jubiloso anúncio dos Anjos: “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens de boa vontade”, isto é, aos homens e mulheres de coração aberto para acolher, como que uma “manjedoura”, um recém-nascido envolvo em panos, Emanuel, o DEUS CONOSCO, a meiguice e fragilidade de um bebê. Simplesmente uma criança. Isto me convence que Deus é muito mais simples do que O complicamos! Basta estar aberto, atento, ser hospitaleiro e acolhedor. Basta ler a face do Senhor no semblante do Outro!

Feliz e santo Natal a todos!

Pe. Gilberto Kasper

O NATAL DE JESUS: SINAL DE CONTRADIÇÕES



“Eis que este menino nasceu,
como sinal de contradição...” (Cf. Lc 2,34)
Pe. Gilberto Kasper
pe.kasper@gmail.com

Mestre em Teologia Moral, Especialista em Bioética, Ética e Cidadania, Professor Universitário, Assistente Eclesiástico do Centro do Professorado Católico, Reitor da Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres da Arquidiocese de Ribeirão Preto e Jornalista.

Deus sempre foi bem mais simples do que O complicamos. Embora aguardado na “esterilidade dos palácios reais”, nasceu na manjedoura, entre animais, sendo anunciado à “virilidade de corações simples de Pastores”: “Não temais! Eis que vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: Nasceu-vos hoje um Salvador, que é o Cristo-Senhor...” (Cf. Lc 2,10-11).
Os pastores pertenciam à classe preterida da sociedade, pois cheiravam mal, cuidavam de ovelhas madrugadas adentro. Entretanto, foram eles, que contemplaram por primeiro, o Deus feito pessoa na meiguice de uma criança. Deus driblou a humanidade, tentando ser pobre com os pobres, simples com os simples, rico de ternura com os puros de coração, sem nenhuma pretensão.
O esplendor do Natal se faz compreensível, na medida em que ao invés de darmos presentes, sejamos presença harmoniosa entre todos, sem discriminação e nem acepção de pessoas. Não haverá melhor presente a oferecer a Jesus, neste Natal, do que assumirmos todos juntos nosso Projeto de Ação Missionária SIM – Ser Igreja em Missão e levarmos a sério nosso Plano Arquidiocesano de Pastoral com as três prioridades assumidas: A Formação de Líderes, A Família e A Juventude!
O Natal de Jesus seja celebrado com a ousadia e a coragem borbulhante em cada coração de sermos Seus verdadeiros discípulos e missionários. Assim teremos o Natal mais autêntico e feliz de nossa vida, e seremos as luzes que iluminarão novo ânimo, nova esperança e grandes perspectivas para os “pastores de nossos dias”. Esvaziados de nós mesmos, deixemo-nos encher da luz do Salvador, que será sempre para as pessoas de boa vontade, Sinal de Contradições!
Em nossa Igreja Santo Antoninho, que mais parece um aconchegante Presépio, celebraremos o Santo Natal do Senhor, na Véspera, dia 24 de Dezembro, Sábado, às 19 horas e no dia 25 de Dezembro, Domingo, às 8 e 10 horas. Todos estão convidados a celebrar conosco na Av. Saudade, 222-1, nos Campos Elíseos em Ribeirão Preto. Seja o mais Santo Natal de nossa vida!

domingo, 18 de dezembro de 2011

NATAL: LUGAR DO ENCONTRO



Natal é um tempo de encontro.

É como se todos os povos marcassem um tempo para,

em torno do Presépio,

viver um momento de paz e de balanço da própria vida!



Quando o ano vai chegando ao seu final, as empresas procuram “fechar para balanço”. É necessário acertar as contas. Ninguém gosta de entrar no novo ano com dívidas e pendências. As famílias fazem o mesmo. É tempo de reconciliação e de paz. O dia 25 de dezembro parece ser a data-limite para tudo o que deveríamos ter feito durante o ano. O Natal é este dia em que as portas se fecham e os corações se abrem. Fala-se até em certo “espírito natalino”. É verdade. Há um mistério em torno desta data que mexe com os corações mais insensíveis.

Aquele marido mal humorado faz força para ser mais alegre, pelo menos neste dia. Mesmo os que não costumam ir à Igreja, não conseguem escapar do Natal. Parece que ele é uma festa maior que o próprio Cristianismo. Até povos e pessoas que nunca ouviram falar de Jesus festejam esta data. Os símbolos e sinais se multiplicam por toda parte. O comércio festeja o aquecimento das vendas. O Papai Noel invade os Shoppings Centers e a mesma música de todos os anos parece dar o tom da fraternidade com que todos sonhamos: Noite Feliz... Noite Feliz!

Por um minuto é permitido esquecer o crime, a fome, a doença, as injustiças, a violência e a corrupção. Por uma fração de segundos a humanidade perdida em tantos conflitos e mortes fecha os olhos e sonha o sonho de Belém: Glória a Deus nas alturas e paz na terra à humanidade por Ele amados! O Presépio, criado por São Francisco de Assis, rouba a cena nas Igrejas e praças e encanta o coração dos que ainda sabem ser crianças.

Celebrar o Natal é, sobretudo, reconhecer que não estamos sozinhos, mas “há um Deus” que caminha conosco, que nos salvou e continua nos salvando cotidianamente.

O maior presente do Senhor, eu penso, é o presente da vida. O maior pecado dos seres humanos, a meu ver, seria devolver esse presente sem agradecê-lo e sem abri-lo.

Ame-se mais em 2012 e seja mais feliz!

Pe. Gilberto Kasper

CURRICULUM VITAE DE PADRE GILBERTO KASPER



CURRICULUM VITAE DE PADRE GILBERTO KASPER

Informações Pessoais

PADRE GILBERTO KASPER
Data de Nascimento: 17 de Abril de 1957
Naturalidade: Três Corôas - RS
Nacionalidade: Brasileiro
Estado civil -solteiro
Telefone Celular: (16) 9217-6540
Email: pe.kasper@gmail.com

Formação Pré-universitária

Curso Primário: Cursou na Escola Sagrado Coração de Jesus de Novo Hamburgo - RS, de 1964 a 1969.
Curso Ginasial: Iniciou no Seminário Menor São João Maria Vianney de Bom Princípio - RS, de 1971 a 1972. Concluiu o mesmo no Ginásio Estadual Leopoldo Petry de Novo Hamburgo - RS, de 1973 a 1974.
Ensino Médio: Cursou no Colégio Pio XII dos Irmãos Maristas de Novo Hamburgo - RS, de 1975 a 1977.

Formação Universitária

* Cursou Filosofia Pura no CEARP - Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirão Preto - SP, de 1982 a 1983;
* Convalidou o mesmo na Faculdade de Filosofia da FAI - Faculdades Associadas do Ipiranga de São Paulo - SP, em 1990,
obtendo o Título de Bacharel em Filosofia e Registro de nº 167.848 - LP do MEC - Ministério da Educação e Cultura;
* Apto a lecionar Filosofia, Psicologia e História no Ensino Médio e História no Ensino Fundamental;
* Iniciou a Faculdade de Teologia na Universidade Javeriana de Bogotá, Colômbia, em 1985 concluindo a mesma na
Universidade Católica de Eichstaett da Baviera na Alemanha, obtendo o Título de Bacharel em Teologia em 1987;
* É mestre em Teologia Moral pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção do Centro Universitário
Assunção de São Paulo - SP, tendo defendido a Dissertação de Mestrado no dia 29 de Setembro de 2003 com o Título:
"Bioética e Reprodução Humana: Análise dos Desafios da Bioética perante a Concepção Assistida no início do Terceiro Milênio Cristão".
* Fez o Curso de Formadores de Seminários na Congregação da Educação Católica do Vaticano, em Roma, na Itália em
1997, capacitando-o a ser Reitor de Seminários que formam novos Presbíteros e de Formação Permanente.
* É doutorando em Teologia Sistemático-Pastoral com concentração na Área de Teologia Moral, com o Projeto de Tese
aprovado pela PUC-Rio sob o Título: "A Ética Cristã diante do Culto ao Corpo" com o tema: "A regência da sociedade
perante o tripé de contra valores: O Consumismo, O Hedonismo e O Individualismo".

Atividades Didáticas

Ensino Fundamental

* Lecionou Ensino Religioso no Instituto Santa Úrsula de Ribeirão Preto - SP, de 1983 a 1985.

Ensino Médio

* Lecionou Ensino Religioso e Filosofia no Instituto Santa Úrsula de Ribeirão Preto - SP, de 1983 a 1985 e em 1990.
* Lecionou Aspectos Sociológicos e Antropológicos no mesmo Instituto de 2000 a 2002.

Curso Superior

* Lecionou Filosofia da Religião, Lógica e Ética no Instituto de Filosofia Dom Felício do CEARP - Centro de Estudos da
Arquidiocese de Ribeirão Preto - SP, de 1997 a 2002.
* Lecionou Teologia Moral Fundamental e Teologia Moral Social no Instituto de Teologia Dom Miele do CEARP - Centro
de Estudos da Arquidiocese de Ribeirão Preto - SP, de 1999 a 2002.
* Lecionou Ética Geral e Filosofia Geral na Faculdade de Direito; Ética e Cidadania nas Faculdades de Turismo,
Administração de Empresas e Comércio Exterior e Filosofia Aplicada na Faculdade de Educação Física e Esportes da
UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto, no Campus de Ribeirão Preto - SP, de 2000 a 2002.
* Lecionou Teologia dos Sacramentos e Sacramentária na EDITECAL - Escola Diocesana de Teologia Católica para
Leigos de Blumenau - SC, de 2004 a 2005.
* Lecionou Teologia Moral Fundamental, Bioética e Teologia Trinitária no ITESC - Instituto Teológico de Santa Catarina,
em Florianópolis - SC, de 2004 a 2006.
* Lecionou Mística e Fé no Curso de Ciências da Religião na FURB - Fundação Universidade de Blumenau - SC, em
2005.

Atividades Ministeriais e Pastorais

* Ordenado Presbítero no dia 20 de Janeiro de 1990, exerceu as seguintes atividades:
1990 - 1993:
* Administrador Paroquial da Catedral de São Sebastião, Secretário e Moderador da Cúria Metropolitana e do Arcebispo de
Ribeirão Preto - SP.
1991 - 2002
* Membro do Conselho Presbiteral da Arquidiocese de Ribeirão Preto;
* Diretor da Cáritas Arquidiocesana;
* Diretor Arquidiocesano do Apostolado da Oração;
* Membro da Equipe de Formadores do Seminário Maior de Filosofia e Teologia Maria Imaculada de Brodowski - SP.
1994 - 1998
* Reitor do Seminário Maior de Filosofia e Teologia Maria Imaculada de Brodowski - SP.
1994 - 1995
* Secretário da OSIB - Organização dos Seminários e Institutos do Brasil do Estado de São Paulo - Regional Sul 1.
1996 - 1998
* Presidente da OSIB - Organização dos Seminários e Institutos do Brasil do Estado de São Paulo - Regional Sul 1.
1993 - 1996
* Pároco da Catedral Metropolitana de São Sebastião de Ribeirão Preto - SP.

1996
* Administrador Paroquial da Paróquia Santa Luzia de Luis Antônio - SP
1997 - 2002
* Pároco da Paróquia Senhor Bom Jesus do Bonfim de Bonfim Paulista, Ribeirão Preto - SP
* Pároco da Paróquia Divino Espírito Santo de Serra Azul - SP
* Capelão das Irmãs Ursulinas de Ribeirão Preto - SP
* Coordenador Arquidiocesano da PASCOM - Pastoral da Comunicação de Ribeirão Preto - SP
* Secretário do Conselho Presbiteral da Arquidiocese de Ribeirão Preto - SP
* Vigário Forâneo da Forania São José, que é formada por nove Paróquias
* Coordenador Arquidiocesano da Pastoral de Casais em Segunda União de Ribeirão Preto - SP.

Atividades Jornalísticas

* Atuou na área de Jornalismo e Publicidade no Grupo Editorial Sinos de Novo Hamburgo - RS e na Gelú Publicidade de
Franca - SP, de 1978 a 1982.
* Coordenou a transmissão da "Santa Missa em seu Lar" na EPTV (Retransmissora da Rede Globo) e participou da
transmissão da Santa Missa pelo Sistema Clube de Comunicação (Retransmissora da Bandeirantes).
* Iniciou a transmissão da Missa da Catedral de Ribeirão Preto pela Rádio Renascença.
* É Jornalista Profissional e escreve semanalmente no Jornal TRIBUNA de Ribeirão Preto e mensalmente na REVISTA
EVIDÊNCIA Top sobre assuntos de Ética, Teologia e Cidadania.
* Participa de Programas radiofônicos, diariamente às 5:50 horas na Rádio CMN-750, Jovem Pan Sat e Aparecida e aos sábados às 8 horas
durante o Programa do ANDRÉ LUIZ, e também aos domingos no "Bom Dia Ribeirão" do Sebastião Xavier, com a mensagem "LEVANTA-TE E ANDA".
* Escreve semanalmente Mensagens Reflexivas sobre a Sagrada Escritura e Temas Diversos para o Site da Arquidiocese de Ribeirão Preto, www.arquidioceserp.org.br, para os Sites do www.rodrigosimoes.com.br e www.demetriolpbjr.blogspot.com, bem como via Internet com aproximadamente dois mil internautas.

Outras Atividades

* Foi Membro do Comitê de Ética de Pesquisa em Seres Humanos da USP de Ribeirão Preto de 1999 a 2002.
* Foi Secretário da Organização das Semanas Teológicas da Pós-Graduação da Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa
Senhora da Assunção de São Paulo - SP.
* Fundou e dirigiu a Escola Diaconal São Lourenço para Diáconos Permanentes da Diocese de Blumenau - SC.
* Lecionou na Escola Diaconal da Arquidiocese de Florianópolis - SC.
* Pregou ao longo de 21 anos, 70 Retiros Espirituais para Religiosas, Seminaristas, Casais e Jovens pelo Brasil.
* Foi Vigário Paroquial na Paróquia Cristo Rei de Blumenau - SC de 2003 a 2005.
* Foi Vigário Paroquial na Paróquia Nossa Senhora da Vitória na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro - RJ em 2006.
* Foi Vigário Paroquial na Paróquia Santa Ângela de Ribeirão Preto - SP em 2007.
* É, atualmente, Reitor na Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres, Diretor Espiritual da Equipe de Nossa Senhora da
Esperança de nº 01 do Setor A e Assistente Eclesiástico do Centro do Professorado Católico da Arquidiocese de Ribeirão Preto com 2.800 associados.
* É Professor de Teologia Moral, Doutrina Social da Igreja e Bioética no Centro Universitário Claretiano de Batatais – SP.
* Leciona Filosofia e Sociologia nos Cursos de Licenciatura Plena de Pedagogia, Letras e Matemática na UNIESP – União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo, na qual coordena ainda, o Curso de Bacharel em Teologia na Unidade de Ribeirão Preto – SP.
* É convidado a proferir Conferências sobre Ética, Teologia e Cidadania nos diversos setores da Sociedade, bem como continua assessorando Comunidades, Agentes de Pastoral em Formação e prega retiros espirituais em épocas de férias!
* Idealizou em 1991 e reiniciou em 2009 os Concertos Ecumênicos de Natal de Ribeirão Preto em nome da Arquidiocese e com o apoio da Secretaria Municipal da Cultura de Ribeirão Preto, durante o Advento, preparando o Natal, no Espaço Cultural de Espiritualidade Santo Antônio, Pão dos Pobres de Ribeirão Preto.

Ribeirão Preto, 15 de Outubro de 2011

Pe. Gilberto Kasper

MARIA: VIRGEM DA ESPERANÇA E MÃE DO SALVADOR



A primeira vinda do Senhor realizou-se graças a ela. E, por isso, todas as gerações a chamamos Bem-aventurada.Hoje, que preparamos, a cada ano, uma nova vinda, os olhos da Igreja se voltam a ela, para aprender, con estremecimento e humildade agradecida, como se espera e como se prepara a vinda do Emanuel: do Deus conosco. Mais ainda, para aprender também como se dá ao mundo o Salvador.

Sobre o papel da Virgem Maria na vinda do Senhor, a liturgia do Advento oferece duas sínteses, nos prefácios II e IV daquele tempo:

...Cristo Senhor nosso, a quem todos os profetas anunciaram, a Virgem esperou com inefável amor de Mãe, João o proclamou já próximo e o apontou depois entre os homens. O próprio Senhor nos concede agora nos preparar com alegria para o Mistério de seu Nascimento, para encontrar-nos assim, quando ele chegar, velando em oração e cantando seu louvor.

Nós vos louvamos, nós vos bendizemos e vos glorificamos pelo Mistério da Virgem Mãe. Porque, se do antigo adversário nos veio a ruína, no sio da Filha de Sião germinou aquele que nos nutre com o pão celestial, e fez brotar para todo o gênero humano a salvação e a paz. A graça que Eva nos arrebatou nos foi devolvida em Maria. Nela, mãe de todos os homens, a maternidade, redimida do pecado e da morte, abre-se ao dom de uma vida nova. Assim, onde havia crescido o pecado, superabundou vossa misericórdia em Cristo nosso Salvador. Por isso nós, enquanto esperamos a vinda do Cristo, unidos aos anjos e aos santos, cantamos o hino louvor...

A Virgem Imaculada foi e continua sendo a personagem dos personagens do Advento: da vinda do Senhor. Por isso, cada dia, durante o Advento, evoca-se, agradece, canta-se, glorifica-se e enaltece àquela que foi a aceitou livremente ser a mãe de nosso Salvador o Messias, o Senhor (Lc 2,11).

Três textos dos tantos que um é em honra à Bem-aventurada Mãe de Deus, em todo este Mistério preparado e realizado. São da solenidade de santa Maria Mãe de Deus:

Que admirável troca! O Criador do gênero humano, tomando corpo e alma, nasce de uma virgem e, feito homem sem concurso de varão, nos dá parte em sua divindade (antífona das primeiras Vésperas).

A Mãe eu à luz o Rei, cujo nome é eterno; a que o gerou tem ao mesmo tempo a alegria da maternidade e a glória da virgindade: um prodígio tal jamais visto, não será visto novamente. Aleluia (antífona de Laudes).

Pelo grande amor que Deus tem para conosco, mandou-se seu próprio Filho em semelhança de carne de pecado: nascido de uma mulher, nascido sob a lei. Aleluia (antífona do Magníficat primeiras Vésperas).

A partir da segunda parte do Advento, a preponderância da Mãe Imaculada é tão grande, que ela aparece como o centro do Mistério preparado e iniciado. Assim as leituras evangélicas do IV Domingo, nos três ciclos, estão dedicadas a Maria. E nas missas próprias dos dias 17 a 24, correspondentes às antífonas da O, tudo gira ao redor dela. E com razão.

Os profetas anunciaram que o Salvador nasceria de Maria Virgem (Tercia) - O anjo Gabriel saudou Maria, dizendo: Ave, chia de graça, o Senhor está contigo, bendita és tu entre as mulheres (Sexta) - Maria disse: O que significa esta saudação? Fico perplexa perante estas palavras de que darei à luz um Rei sem perder minha virgindade (Nona).

Nas vésperas do primeiro domingo de Advento, a antífona do Magnificat é tirada do evangelho da anunciação: Não temas, Maria, porque encontraste graças diante de Deus. Conceberás em teu seio e darás á luz um filho.

Na segunda-feira desta primeira semana, nas vésperas, a antífona do Magnificat será: O anjo do Senhor anunciou a Maria e ela concebeu do Espírito Santo.

Nas vésperas da quinta-feira se canta: Bendita és tu entre as mulheres. Nas vésperas do segundo domingo de Advento: Ditosa tu, Maria, que creste, porque o que te foi dito o Senhor cumprirá. Nas laudes da quarta-feira há uma leitura tirada do capítulo 7 de Isaías: Vede: a Virgem concebeu e dará à luz um filho, lhe porá o nome Emmanuel.... O responsório da sexta-feira depois da segunda leitura do ofício, é tirado do evangelho da anunciação em Lc 1, 26, etc... E poderíamos continuar com uma longa enumeração.

Esta enumeração interessa porque mostra como a presença da Virgem é constante nos Ofícios de Advento, bem como na memória da primeira vinda de seu Filho e na tensão de sua volta no fim dos tempos.

Embora o Natal seja para Maria a festa mais indicada de sua maternidade, o Advento, que prepara esta festa, é para ela um tempo de escolha e de particular preparação.


http://www.fatima.com.br

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

A Virgem da Galiléia



Quando em Nazaré Maria ouviu a saudação do anjo Gabriel, ficou perturbada e “começou a pensar qual seria o significado da saudação”: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” (cf Lc 1,26-38) O Anjo, ao saudar Maria com o shalon pleno, transmite-lhe a divina salvação: “Alegra-te, ó cheia de graça!” Nela habita a glória de Israel.

Com a vinda de Jesus Cristo, que celebramos no Natal, também nós nos alegramos. Pois, como nos assegura São Paulo, foi-nos revelado “o mistério mantido em sigilo desde sempre.” (Rm 16,25). De fato, o Evangelho é uma alegre mensagem para todo aquele que crê.

O anjo diz à virgem da Galiléia para não temer porque ela encontrou graça diante de Deus. Escolhida para ser a mãe do Salvador, Maria declara estar a serviço do plano de Deus: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra.” Ela não duvida da palavra do anjo, mensageiro de Deus. Através do sim de Maria, Jesus veio habitar entre nós.

Com Maria, nós entramos na última semana do Advento. Acolhemos aquele que foi “predito por todos os profetas, esperado com amor de mãe pela virgem Maria, Jesus...” (Prefácio do Advento). A disponibilidade de Maria nos incentiva a viver com intensidade este momento de graça, rezando com a Igreja, na liturgia deste quarto domingo do Advento: “Derramai, ó Deus, a vossa graça em nossos corações para que, conhecendo pela anunciação do anjo a encarnação do vosso Filho, cheguemos, por sua paixão e cruz, à glória da ressurreição.”

Dom Joviano de Lima Júnior, SSS
Arcebispo de Ribeirão Preto

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Mãe, mostra-nos o seu rosto de luz



O amor exige presença. Quem ama gosta de estar perto da pessoa amada, gosta de olhar nos olhos e sentir-se envolto pela ternura. Na história da Igreja, os cristãos sempre buscaram formas de cultivar e enaltecer a relação de amor para com Nossa Senhora, seja através da música, da poesia, das litanias, ou da pintura.

Mesmo sem ter registros históricos, acredita-se que quem primeiro retratou a face de Nossa Senhora foi o Evangelista São Lucas, que teria pintado o quadro de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. E em homenagem a ele que celebramos o dia do pintor no mesmo dia que a Igreja celebra a sua memória. São Lucas foi um dos primeiros missionários do mundo greco-romano.

Seu nome aparece nas cartas do Apóstolo Paulo, apresentado como seu companheiro nas lutas pela evangelização. Seu nome está gravado na memória dos cristãos, associado ao Evangelho que ele narrou e também ao livro dos Atos dos Apóstolos.

Seus escritos revelam, de maneira encantadora, o seu carinho para com a Mãe de Jesus e nossa mãe. Nenhum outro evangelista narrou com tanta ternura a anunciação do anjo, a visita de Maria a sua prima Isabel, e também a infância de Jesus.

Além dos escritos, Lucas, com a sua habilidade de pintor, retratou o rosto iluminado e iluminador de Nossa Senhora no belíssimo quadro que hoje é conhecido no mundo inteiro: Nossa Senhora do Perpétuo Socorro! Quem olha para o quadro, sente-se acompanhado pelo olhar de Maria, sente-se iluminado pelo seu amor.

Com o mesmo desejo de colocar-se sob o olhar amoroso de Nossa Senhora, milhares de pessoas têm modelado imagens, realizado pinturas, verdadeiras obras de arte que estabelecem essa interligação afetiva, amorosa, de proximidade e aconchego.

Em cada representação percebe-se o carinho das pessoas que buscaram, através daquela pintura ou escultura, manifestar o seu carinho para com a Mãe. Fazendo uso da linguagem plástica, silenciosa e cheia de ternura, mãos habilidosas trazem para perto de nós o olhar carinhoso de nossa mãe celestial.

Como é bom saber que temos uma mãe carinhosa que sempre olha por nós, caminha conosco pelas estradas da vida, guarda-nos sob o seu manto de amor e conduz nossos passos ao encontro de seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo!

Nossa Senhora é a mãe carinhosa que nos ama, mesmo quando nada fazemos para merecer o seu amor. Seguramente, é nessas horas que dela nós mais precisamos.

Cada vez que nos colocarmos diante de uma representação de Nossa Senhora, seja uma pequena imagem, uma pintura, ou um santinho de bolso, que nosso pensamento se eleve ao céu para contemplar aquela que nos trouxe o seu filho, o nosso salvador.

Que o nosso coração se aqueça com a sua ternura e que o amor seja acolhido em nossas vidas, para que possamos caminhar com mais segurança, fazendo com que, através de nossas palavras e ações, Cristo seja levado ao encontro das pessoas com quem convivemos, suscitando a mesma alegria que inundou o coração de Isabel, quando Maria levou Cristo ao seu encontro.

Pe. Vicente André, C.SS. R
Revista de Aparecida – Campanha dos devotos

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

A premonição profética do Menino Jesus numa piedosa lenda de Natal



Uma piedosa lenda de Natal conta que o Menino Jesus sentado num troneto brincou tecendo uma coroa de espinhos.
E um espinho machucou seu dedo indicador da mão direita.
Nesse momento, com ciência profética, Ele previu os sofrimentos que haveria de aceitar para redimir o genro humano.
Em sua doçura de criança e na candura de sua inocência infinita Ele pressentiu as dores lancinantes de sua Paixão e Morte na Cruz.
Contemplou também a glória de sua Ressurreição. Anteviu a Redenção da humanidade, o triunfo universal da Igreja e da Cristandade.
Na iconografia tradicional, o Menino Jesus do Espinho aparece sentado numa poltrona com braços de madeira, estofada em veludo vermelho, meditando sobre os futuros tormentos da Paixão.
Numa outra tela do célebre pintor espanhol Francisco de Zurbarán (1598-1664) o Menino Deus contempla o dedo sangrando.
O rosto mais sereno parece velado pelo presságio do sofrimento vindouro trazido pela ferida.
É uma clara premonição da Paixão de Cristo, através de uma descrição suave e melancólica.
O contraste entre a inocência e a doçura da criança com o horror da tortura toca os mais nobres sentimentos dos fiéis.
E inspira uma meditação apropriada para o Advento, período litúrgico iniciado no último domingo de novembro, tempo penitencial que nos prepara para bem receber no Natal.
Anônimo sevilhano

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Novena em preparação para o Natal



Oração para todos os dias

Senhor, o vosso Natal se aproxima.
Depositamos diante de vossa manjedoura todos os nossos sonhos…, todas as nossas lágrimas e esperanças que estão contidas em nossos corações.
Pedimos, Senhor Jesus, por aqueles que choram… sem ter quem lhes enxugue uma lágrima.
Por aqueles que gemem, sem ter quem escute o seu clamor.
Suplicamos por aqueles que vos buscam sem saber ao certo onde vos encontrar.
Para tantos que gritam – paz!! – quando nada mais podem gritar. Abençoa Jesus Menino cada pessoa, colocando em seu coração um pouco da Luz Eterna, que vieste acender na noite escura de nossa fé. Menino Jesus, hoje é o (…) dia da Novena que estamos fazendo. Acolha o Nosso pedido:
(Dizer a graça que se vai pedir a Jesus)
Senhor, queremos que nosso lar seja um aconchego necessário para Vosso nascimento, entre nós. Por isso Vos pedimos que neste período e nesta Novena possamos nos preparar para assumir convosco nossa missão na Terra. Menino Jesus, fazei brilhar sobre nós a Estrela-Guia. Que possamos enxergar essa Luz que nos conduz à gruta de Belém…
Maria Santíssima, invocamos o vosso Nome e vossa intercessão. Aproximai-nos de vosso Filho Amado. Ensina-nos a amá-Lo, serví-Lo e anunciá-Lo em nosso ambiente. Pedimos também a intercessão de São José, para que estejamos a serviço de Deus neste Mundo. Menino Jesus, acolhei nossos pedidos nessa Novena em preparação ao Vosso Santo Natal.
Amém.
Fonte: O Poder da Oração

terça-feira, 29 de novembro de 2011

A PROFUNDIDADE TEOLÓGICA DO OFÍCIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO:



AGORA LÁBIOS MEUS – O Ofício começa com a palavra Agora. Não é um simples advérbio de tempo, indicando o começo da ação, mas é uma palavra conclusiva, que comemora os favores recebidos, enriquecida de gratidão e de carinho para com a Mãe de Deus, que é também nossa Mãe. O agora deste Ofício é muito parecido com o entusiasmo do velho Simeão quando recebeu nos braços o Salvador “Agora, Senhor, podes deixar-me partir em paz…”

SEDE EM MEU FAVOR – imploramos a intercessão de Maria contra os inimigos sejam eles materiais (físicos) ou espirituais. A conclusão glorificando o Pai, o Filho e o Espírito Santo mostra a íntima ligação do Mistério de Maria com o Mistério da Santíssima Trindade, sobretudo na pessoa do Filho. O Mistério de Maria é essencialmente Cristológico.
Maria vive em íntima união com a Santíssima Trindade. Assim disse o Concílio Vaticano II: “Maria é dotada com a missão sublime e a dignidade de se ser Mãe de Deus, e por isso, filha predileta do Pai e sacrário do Espírito Santo” (LG 53). A virgem Imaculada vive imersa no mistério da Trindade, louvando a glória de Deus e intercedendo pela humanidade (Puebla, 293)



SENHORA DO MUNDO - proclamam-no todas as línguas Domina Nostra, Madonna Mia, Notre Dame, Nuestra Señora, Nossa Senhora… É uma vassalagem universal. Lemos no livro do Êxodo (Cf. Ex 15, 20-21) que Maria, irmã de Moisés, foi guiando as mulheres. Esta Maria era figura da Santíssima Virgem que também se chamou Maria, mestra e senhora que nos guia para o outro lado, para o céu. O fato de ser Mãe de Deusé que confere a Maria os direitos de domínio do mundo.

ESTRELA DA MANHÃ - os antigos acreditavam que cada homem nascia sob a proteção de uma estrela. Maria é esta estrela. Estrela da manhã porque foi ela quem precedeu, na mente do Altíssimo, ao dia da Criação. Foi ela quem precedeu ao dia da Redenção. Desde que se levantou radiosa, sempre seu brilho venceu o das demais e nunca teve o ocaso sombrio do pecado. Feliz aquele que se deixa guiar por esta Estrela. Mais recentemente o Papa a declarou Estrela da Nova Evangelização.

CHEIA DE GRAÇA DIVINA - Ave cheia de graça, o Senhor é contigo (Lc 1,28). Do princípio ao fim a vida de Maria é graça, é experiência da misericórdia e da bondade de Deus. Maria possui a plenitude da graça; daí sua valiosa intercessão junto a Deus para alcançar as graças que necessitamos. A graça divina fez de Maria jardim ornado de todas as virtudes.

FORMOSA E LOUÇÃ - pela graça divina, é realmente a Virgem Maria “formosa e louçã”. Diz um autor: “Como não sereis toda engraçada em vós, e para nós toda graciosa, se sois a Mãe da Divina Graça? Ó Santíssima, ó Suavíssima, ó toda formosa e engraçada Maria!”

DEFENSORA DO MUNDO - o mundo está com muita pressa de auxílio. E a quem recorremos senão àquela que é um “forte esquadrão contra o inimigo”?

AB ETERNO – DESDE TODA ETERNIDADE. Ao decretar desde toda eternidade a Encarnação do Verbo, Deus não o fez de um modo abstrato e indeterminado, mas sim estipulando os pormenores das condições necessárias para cumprimento deste decreto.

MÃE DO VERBO - No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. No princípio ele estava com Deus. Tudo foi feito por meio dele e sem ele nada foi feito(Jo 1,1-3). Ele é a Imagem do Deus invisível, o Primogênito de toda criatura, porque nele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis. Tronos, Soberanias, Principados, Potestades, Autoridades, tudo foi criado por ele e para ele. Ele é antes de tudo e tudo nele subsiste (Cl 1,15-17) . Se o Filho encarna, precisa de uma Mãe que o dará à luz permanecendo Virgem. Além disso, essa Mãe deve ser digna dele quanto seja possível, logo, antecipadamente terá todos os privilégios que Deus pode conceder. Por conseguinte receberá todas as honras que comporta a sua condição.

ESPOSA DE DEUS - Maria é a Virgem deposada por Deus. Maria “Esposa de Deus” diz respeito diretamente à relação Maria e a Igreja que ocorre amplamente nas reflexões dos Padres da Igreja (Clemente de Alexandria, Ambrósio, Agostinho, Leão Magno, e tantos outros). Isaac de Estela, discípulo de São Bernardo, dizia: “Ambas Mães, ambas Virgens, ambas concebem por obra do espírito Santo… Maria… gerou ao Corpo a sua Cabeça; a Igreja… dá a esta Cabeça o seu corpo. Uma e outra são Mães de Cristo, mas nenhuma delas o gera todo inteiro sem a outra. Por isso justamente, aquilo que é dito em geral da Virgem Mãe Igreja se entende igualmente da Virgem Mãe Maria.

MESA PARA DEUS ORNADA / COLUNA SAGRADA DE GRANDE FIRMEZA - casa a Deus dedicada com sete colunas e mesa preparada. Refere-se àquela passagem dos Provérbios (9, 1-2): “A sabedoria edificou para si uma casa, levantou sete colunas… e dispôs sua mesa”. Diz São Bernardo que“aquela Sabedoria, que era o próprio Deus, edificou para si uma casa que foi sua própria Mãe, na qual ergueu sete colunas que são as virtudes teologais e cardeais (Fé, Esperança, Caridade, Justiça, Temperança, Fortaleza e Prudência).

MÃE CRIADORA - Nova Eva. Da mesma sorte que Adão é figura de Cristo (novo Adão), Eva é figura de Maria (Nova Eva). Este é um singular paralelismo que percebemos nos Padres da Igreja feito entre Eva e Maria, modelado e inspirado no paralelismo entre Cristo e Adão (Rm 5,14; 1Cor 15, 22.45). O paralelismo entre Eva e Maria foi constituído já no século II por Justino e Ireneu: a Velha Eva que também era Virgem preferiu ouvir a voz da Serpente gerando, portanto, o pecado; a Nova Eva, Maria, a Virgem que soube ouvir a Palavra de Deus, gerou no seu santíssimo ventre, o próprio Filho de Deus. Assim a primeira Eva trouxe a tristeza e o pecado. Já a Nova Eva, trouxe-nos a paz, a esperança, o perdão e a graça salvífica. E por isso chamada Mãe da nova Criação. “Enquanto peregrinamos Maria será a Mãe e a educadora da fé. Ela cuida que o Evangelho nos penetre intimamente, plasme nossa vida de cada dia e produza em nós frutos de santidade” (Puebla 290). Ao pé da cruz, Maria recebeu de Jesus agonizante a missão de ser mãe de todos os que seriam seus discípulos (Jo 19,26).

SOIS DOS SANTOS PORTA - Maria, porta do céu. As figuras de “porta, limiar, entrada, umbral”, já desde a época dos Padres da Igreja, se aplicam à Virgem Maria para esclarecer sua função de Nova Eva, ou sua maternidade virginal ou sua intercessão suplicante em favor dos fiéis. Eva inocente, que venceu pela humildade o orgulho da primeira mulher, abrindo o que esta fechara: Virgem humilde que nos abriu a porta da vida eterna: o que Eva incrédula fechara – aquela fiel abriu. As portas do paraíso que Eva fechou foram abertas por ti, Virgem Maria. Maria é porta radiante luz, pela qual, Cristo, Luz do Mundo, refulgiu para nós. A Igreja não duvida disto: pela bem aventurada Virgem Maria, de quem nos veio o Salvador, nos descerão dons da graça celeste e se nos abrirá a feliz porta do céu.

DOS ANJOS SENHORA - Santo Tomás, explicando a Saudação Angélica, observa que no Antigo Testamento era grande honra para os seres humanos a aparição dos seres angélicos. E grande honra também era poderem os homens reverenciar aos Anjos. Que um Anjo, porém, reverenciasse ao homem, nunca se ouviu contar, a não ser depois da saudação a Maria, quando se verificou que, na natureza humana, havia quem fosse maior do que os anjos na plenitude da graça e intimidade com Deus.

ESTRELA DE JACÓ - Nm 24,17: “Eu vejo – mas não agora, eu o contemplo – mas não de perto: um astro procedente de Jacó se torna chefe, um cetro se levanta procedente de Israel. E esmaga as têmporas de Moab…” A estrela de Jacó é Maria que descende do grande patriarca. E Jesus é o cetro que se levantou de Israel e feriu os capitães de Moab, isto é, o mal e a morte, e nos deu a vitória.

REFÚGIO DOS CRISTÃOS - Maria Santíssima que reina gloriosa no céu trabalha misteriosamente na terra, mostrando a seus filhos o caminho da verdade. Não raro sucedeu que os fiéis, por guardarem sempre vigoroso o amor e o culto à Mãe de Jesus, mesmo destituído de todo auxílio espiritual, conservaram contudo integralmente sua fé. Maria é o amparo na fé. Quando Pio VII (+1823) foi arrancado da Sé de Pedro pela violência das armas e detido em estrita prisão, toda a Igreja erguia preces a Deus pela intercessão da Virgem Maria: sucedeu então, sem se esperar, a libertação do Sumo Pontífice e a sua volta para Roma em 24 de maio de 1814, e sua restituição ao trono pontifício. Por isso o Papa pio VII decretou que se celebrasse para sempre em Roma, a 24 de maio, uma festa em honra de Maria, Auxilio dos cristãos. Ela é o auxílio do cristão para que, com a proteção dela, trave o combate da fé com intrepidez, permaneça firme na doutrina dos apóstolos e caminhe seguro entre as tempestades do mundo.

A VIRGEM A CRIOU DEUS NO ESPÍRITO SANTO / E TODAS AS SUAS OBRAS COM ELA AS ORNOU - já vimos que nada se fez sem o Verbo. Mas nada se fez também sem o Espírito Santo que é o Amor do Pai e do Filho. Sem o Amor nada se faz. Aquele mesmo Espírito de quem diz o Gênesis (1,2) que, fecundando, pairava sobre as águas, já preparava o mais lindo ornamento de todas as obras: Maria.

TRONO DE SALOMÃO - 1Rs 10, 18-20. Do trono de Salomão diz a Sagrada Escritura que nunca se fez coisa tão preciosa pelos reinos do mundo. Era de marfim coberto de ouro finíssimo, com seis degraus e sustentado por duas mãos. Maria é o trono do verdadeiro Salomão ou Rei Pacífico, Jesus. É trono de marfim, por sua pureza e inocência, revestido do ouro finíssimo da mais ardente caridade. Duas mãos a sustentam, que são a humanidade e a divindade de Jesus.

ARCA DO CONCERTO (DA ALIANÇA) - Ex 25, 10-16. A Arca da Aliança, conservada e venerada no Templo de Salomão, coberta por fora e por dentro do mais puro ouro. Continha as duas tábuas da lei que Deus havia promulgado no Sinai. Conservava-se ali também um vaso que continha um pouco do maná que durante tantos anos caíra do céu para alimento do povo hebreu no deserto. Figura belíssima de Maria. Virgem, dotada de todas as graças e enriquecida da mais imaculada pureza tanto no que diz respeito ao corpo como no que se refere à alma, ela trouxe no seu casto seio o Verbo Eterno, o legislador divino da lei da graça, o autor da nova aliança entre Deus e os homens. Ela deu ao mundo Jesus Cristo, nosso Redentor, que é o verdadeiro maná, o pão celeste, o pão da vida, descido do céu. Lembramos ainda das passagens que dizem que Maria guardava as Palavras de Jesus no seu coração e as meditava (Lc 2,19. 51).

VELO DE GEDEÃO - Jz 6, 36-40. O velo de Gedeão é símbolo de muitos mistérios mas principalmente de Maria Imaculada. Querendo Gedeão esclarecer-se a respeito de milagrosa aparição que tivera, deixou do lado de fora de sua casa, durante a noite, o velo de um carneiro (couro de carneiro com a lã). E com grande espanto verificou pela manhã que o relento caíra todo no velo, enquanto tudo em redor ficara seco. Na noite seguinte repetiu a mesma prova desta vez o velo estava seco e tudo o mais coberto de orvalho. Com este milagre ficou sabendo Gedeão que seria eleito para vencer os inimigos de seu povo depois de sete anos de dura opressão. São Bernardo comenta que o velo simboliza Maria que, única, foi concebida sem pecado original e, por primeira recebeu de Jesus a sua graça que havia de espalhar-se depois pelo mundo. A Igreja reconhece no velo recoberto de orvalho uma figura do Mistério da Encarnação do Verbo Divino no seio puríssimo da Virgem Maria dizendo: Senhor, quando nasceste de um modo inefável da Virgem, cumpriram-se as Escrituras que diziam “desceste como orvalho no velo a fim de salvar o gênero humano. E São Bernardo ainda diz: “Tu és, ó Maria, o terreno umedecido, impregnado de celeste orvalho”.

ÍRIS DO CÉU CLARA - Gn 9, 8-17. Quando Deus fez as pazes com a terra, depois do dilúvio, deixou um símbolo agradabilíssimo de união e de paz: o arco-íris. E, no Novo Testamento, para mostrar a sua misericórdia para com os homens, deixou não apenas um símbolo, mas um verdadeiro traço de união: a Virgem Maria – Rainha da Paz. O arco-íris tem sete cores. Maria tem os sete dons do Espírito Santo. O arco-íris foi o sinal da aliança depois do dilúvio. Maria foi o sinal da aliança depois do pecado.

SARÇA DA VISÃO - Ex 3,1-6. Maria imaculada, como a sarça que ardia sem se consumir, deu à luz seu filho sem perder o privilégio da virgindade. São Gregório de Nissa diz: “Não é porventura um grande milagre ver uma virgem que se torna mãe sem deixar de ser virgem?” E São Bernardo acrescenta: “O que podia designar a sarça que ardia e não se consumia a não ser a virgem que deu à luz sem sentir as dores do parto?”. E canta assim a liturgia bizantina: “Como a sarça que não se consome ardendo, assim a Virgem deu à luz. Cristo com o fogo de sua divindade não fez arder a criatura na qual se encarnoou, antes conservou intacta a sua virgindade”.

FAVO DE SANSÃO - Jz 14, 5-9. Conta o livro dos Juízes que indo Sansão viajando com seus pais para a casa de sua noiva, ao se aproximarem das vinhas da cidade, apareceu um leão novo, feroz e que rugia fortemente e avançou contra Sansão. Mas o espírito do Senhor apossou-se de Sansão e ele depedaçou o leão como se fosse um cordeiro, sem arma alguma na mão . Mas nada disse a seus pais. Quando voltavam alguns dias depois Sansão afastou-se do caminho para ver o cadáver do leão e eis que na boca do leão estava um enxame de abelhas e um favo de mel. E, tomando-o nas mãos ia comendo pelo caminho, e chegando onde estavam seu pai e sua mãe, deu-lhes uma parte que eles também comeram. Assim como, dentro da boca de uma fera, se encontrou um favo, também no seio da humanidade não tão humana, encontrou-se Maria. E assim como, no seio da morte (no cadáver do leão), encontrou-se a vida (enxame de abelhas), assim também dentro da humanidade pecadora encontrou-se Maria: concebida sem pecado. Maria, laboriosa e humilde abelha que nos preparou o favo dulcíssimo, Jesus, que saboreamos pelo caminho da nossa vida toda vez que recebemos a Eucaristia.

FLORESCENTE VARA - Nm 17, 16-26; Is 11, 1-2. O livro dos números conta que a escolha de Aarão foi feita da seguinte forma: Deus mandou que um varão de cada tribo de Israel colocasse uma vara junto ao Tabernáculo e a vara do escolhido florescia. Foi o que aconteceu coma vara de Aarão onde apareceram botões, depois flores e frutos sem prejudicar o seu frescor. Essa vara, diz São Bernardo, é figura de Maria que floresceu sem raízes e sem a seiva da natureza; pois ela se tornou fecunda e deu à Luz Jesus sem a mínima alteração de sua pureza virginal, à maneira da vara de Aarão que nada perdia de sua verde folhagem, produzindo flores e frutos. No texto de Isaías lemos que “um ramo brotará do trono de Jessé”. Jessé foi o Pai do rei Davi, de quem Jesus era chamado filho (Mt 21,9), por ser descendente seu. Maria é este ramo de floresce quando dela nasce Jesus.

DA TRINDADE TEMPLO - A Santíssima Virgem por especial razão é Templo. Carregando em seu seio imaculado o próprio Filho de Deus, tornou-se Templo do verdadeiro Deus. Tendo guardado em seu coração a palavra de Deus (Lc 2, 16-17), tendo amado ardentemente a Cristo e conservado fielmente seus dizeres, vieram a ela o Pai e o Filho, e nela estabeleceram sua morada, segundo a promessa do próprio Senhor (Jo 14,23). Maria é o Templo Santo construído com indizível arte pelo Senhor; templo singular da glória de Deus pela obediência da fé e mistério da Encarnação, templo da justiça, templo da piedade para nós pecadores… templo repleto do Espírito Santo. Diz São Gregório: “És esplendor de luz, ó Maria, no sublime reino espiritual! Em ti o Pai, que é sem princípio e cuja potência te cobriu, é glorificado. Em ti que carregaste segundo a carne, é adorado. Em ti o Espírito Santo, que operou nas tuas entranhas o nascimento do grande Rei, é celebrado. É graças a ti, ó cheia de graça, que a Trindade Santa e consubstancial pôde ser conhecida no mundo”.

HORTO DE DELEITES - Gn 2, 8-15. O Horto, na terra do Éden – nome que significa delícia – tinha a virtude de produzir, sem o auxílio do homem, os mais deliciosos frutos e a mais linda vegetação. Uma fonte abundantíssima fertilizava todo aquele jardim. Perfeito símbolo de Maria que, sendo Virgem, também é Mãe. Sua fecundidade vem do Espírito Santo. São João Damasceno diz: “Tu és o Horto espiritual, mais santo e mais divino que o antigo, pois este foi a morada de Adão e tu foste o paraíso daquele que desceu do céu para habitar em ti”.

PALMA DE PACIÊNCIA - Vencedora do demônio. Maria Santíssima é suportadora das angústias e sofrimentos de sua missão de Mãe do Redentor. À Maria dá-se com extrema justeza, o título ou figura de palma da vitória, sendo nosso modelo para que, a seu exemplo vençamos as tentações. Por analogia Maria é comparada também à resistente palmeira, que os vendavais não conseguem abater. Maria, palmeira eleita, passou por todas as tribulações sem vergar. Estava de pé juntoà cruz sem que a veemência da dor a pudesse prostrar. Mártires e confessores têm-na como Rainha, porque soube viver e morrer dando heróicos testemunhos de fé (Gn 3,15).

TERRA BENDITA E SACERDOTAL - A terra, o terreno do Paraíso terrestre era virgem, não lavrada por mãos humanas, sendo no entanto, fertilíssima porque era obra de Deus; produzia plantas, flores e frutos (símbolo das virtudes) e não dava nenhum espinho (figura do pecado). Era portanto terra santa. Da filha desta terra bendita, fertilizada pelo Espírito Santo – Maria – nasceu o Salvador, sumo Sacerdote, sumo Sacerdote, realizando a profecia de Isaías: “Abra-se a terra e germine o Salvador”. É também figura de Maria pela beleza e fartura, em suma, pelas excelências. Terra de Canaã fecunda apontada a Moisés (Gn 2,8; Dt 8, 7-10).

CIDADE DO ALTÍSSIMO - Aqui faz-se alusão à cidade de Jerusalém que teve a honra de ser preferida para aa construção do Templo, onde Jesus haveria de ensinar mais tarde. Maria foi comparada ao Templo, é comparada agora a Jerusalém, cidade santa. Ou melhor, Maria é a verdadeira Jerusalém, pois ao invés de dar a morte, deu a vida ao Redentor, e nunca foi destruída e nem mesmo ameaçada pelo inimigo.

PORTA ORIENTAL - Ez 46, 1-3. A liturgia se serve da mesma comparação no Ofício do Advento: Salve Porta Oriental!, porque foi por Maria que raiou o divino oriente – seu Filho Jesus. Lê-se em Ezequiel: “Isto diz o Senhor: a porta do átrio interior, que olha para o oriente, estará fechada durante os seis dias que são de trabalho; mas abrir-se-á no dia de Sábado, e também se abrirá no primeiro dia de cada mês. E o príncipe entrará pelo caminho do vestíbulo da porta… e fará adoração sobre o limiar desta porta, e depois sairá, e a porta não se fechará até a tarde. E o povo do país fará sua adoração à entrada daquela porta nos dias de Sábado”. Maria é a porta Oriental donde saiu o Sol da Justiça; é aporta que se abre ao pecador, pela misericórdia. A porta se abrirá e não se fechará mais. O povo se aproximará sem medo e adorará o Senhor, glorificando a divina Mãe.

LÍRIO CHEIROSO ENTRE OS ESPINHOS - Ct 2, 1-2. Santa Brígida diz que “assim como a rosa cresce entre os espinhos, assim cresceu Maria entre os sofrimentos”. Espinhos também são nossos pecados; espinhos são as blasfêmias e ingratidões para com seu Imaculado Coração. Além disso, o lírio é uma flor que reflete tranqüilidade pelo seu aspecto, símbolo da pureza pela sua nitidez, da beleza pelos seus contornos, do encanto pela sua fragrância. Dentre as flores é, portanto, a que mais e melhor se pode comparar a Maria, que além do mais, como a Santíssima Virgem, tem o poder de cura.

TORRE DE DAVI - 2Sm 5,9; Ct 4,4. Acena-se a uma das muitas torres que Davi mandou erguer na cidade de Sião. A Virgem é apresentada como uma fortaleza contendo as defesas contra os inimigos e o arsenal de armas para combate-los. Para isso eram construídas as torres. Maria Santíssima é uma torre tão bem edificada que, como São Tomás de Villanova podemos dizer: “Ocupando-lhe a praça forte o próprio Deus, não podia este sem grande cuidado, permitir ao demônio que dela se apoderasse, nem um instante sequer. Para isso teve que comunicar-lhe um poder inquebrantável, transformando-a numa verdadeira fortaleza davídica”. Assim Maria é aquela criatura santa que nunca foi vencida pelo pecado, toda cheia de graça e fiel a Deus. É nisso precisamente que consiste o mistério da Imaculada Conceição, que nos apresenta em Maria o rosto do homem novo redimido por Cristo, no qual Deus recria ainda de modo mais admirável o projeto do paraíso (Puebla, 298).

A MULHER E O DRAGÃO - Após o pecado dos primeiros pais quando Deus amaldiçoou a serpente, Ele anunciou que a descendência da Mulher haveria de esmagar-lhe a cabeça (Gn 3, 15). Por isso, Maria Imaculada aparece com a cobre debaixo dos pés. Trazendo ao mundo o Salvador, ela deu início a vitória do Bem sobre o Mal. Outra citação vemos em Ap 12. Há, portanto, duas grandes seduções, ou dois grandes ataques do demônio (dragão) com relação à mulher: a astúcia da serpente que quer que a inteligência contemplativa de Eva seja apenas uma inteligência eficaz (conhecedora de tudo = Deus) e a oposição brava do dragão com relação à mulher, para que ela deixe de ser fonte de vida. A diferença entre esses dois ataques é que na grande visão do Apocalipse a mulher não cai na armadilha. Ela é ajudada por Deus, recebe as “duas asas de grande águia e voa para o deserto”, onde Deus lhe preparou um refúgio. O demônio, no seu ataque contra a fecundidade, portanto, jamais será vitorioso: ele não pode ser vitorioso. Mas irá muito longe: bem sabemos hoje que ele vai muito longe no seu ataque contra a fecundidade segundo a carne e o sangue, e também contra a fecundidade espiritual. Ele tenta por todos os meios suprimir essa dupla fecundidade. Mas há um socorro de Deus para a Mulher, e, portanto, para a criatura que deve ser fonte de vida e guardiã da vida. Esse socorro divino, são as duas asas da grande águia. Estas duas asas da grande águia são, segundo os Padres da Igreja, a adoração e a contemplação. Se a mulher – isto é, a criatura na sua fraqueza– continuar a adorar e contemplar, ela não cairá na armadilha do dragão.

MULHER FORTE - O livro dos Provérbios (31, 10-31) faz o elogio da perfeita dona de casa, que se mostra solícita, corajosa e operante em tudo que faz. Em todos os tempos, inclusive hoje, existem mulheres que vivem esse ideal de doação total. Porém, mais que todas, Maria sempre teve essa fortaleza de ânimo para executar sua missão no lar e na sociedade. Foi ela a “a mulher forte que conheceu a pobreza e o sofrimento, a fuga e o exílio; é o modelo para os que não aceitam passivamente as circunstâncias adversas da vida pessoal e social, nem são vítimas de alienação” (Puebla, 297,302); tornou-se assim exemplo “para a mulher contemporânea, desejosa de participar com poder de decisão nas opções da Comunidade (Paulo VI, Exortação Apostólica Marialis Cultus, 37).

INVICTA JUDITE - Jd 8,4-8; 15,8-10. No Livro de Judite elaé cognominada Libertadora de Betúlia; à semelhança do livro de Éster, é uma história de libertação do povo por uma heroína: Holofernes, enviado com 132 mil homens pelo rei da Assíria, Nabucodonosor, para invadir a Ásia ocidental, acampa em Betúlia, sitiando a cidade. Judite, seduzindo o general inimigo cortou-lhe a cabeça depois de embriagá-lo; leva Judite então, esse troféu de guerra e exibe-o a seu povo em Betúlia. Eis a aplicação como figura de Maria que nos liberta de Satanás. A Igreja exalta a Maria com as mesmas palavras com que os hebreus estejaram o triunfo desta mulher corajosa que, arriscando a vida, cortou a cabeça do general inimigo e assim salvou seu povo: “Tués a glória de Jerusalém, és a alegria de Israel, a honra de nosso povo!” .

ALENTASTES O SUMO DAVI - Na história de Davi se conta que ele, estando já velho, mandou que lhe procurassem uma jovem esposa para o assistir e cuidar dele. Procuraram em todo território de Israel e trouxeram-lhe uma jovem belíssima, chamada Abisag de Sunan, que o serviu e se tornou sua esposa, mas permaneceu virgem (1Rs 1,1-4). Cristo relizou as esperanças que o povo colocava em Davi; por isso ele foi reconhecido como um novo Davi, um Filho de Davi. A seu lado, Nossa Senhora tornou-se a esposa virginal de Deus.

MARIA E RAQUEL - Gn 29, 15-30; 37; 39; 41,37-57. Conta o Livro do Gênesis que chegou Raquel certo dia com os rebanhos de seu pai Labão, para apascentá-los. Vendo-a Jacó e sabendo que ela era sua prima irmã e que aqueles rebanhos pertenciam ao sei tio Labão, ajudou Raquel a levantar a pedra do poço para dar de beber ao rebanho. Raquel era formosa e muito agradável. E Jacó, sentindo uma grande afeição disse para Labão que serviria sete anos pela sua segunda filha, Raquel. O texto sagrado mostra-nos em Raquel uma mulher de rara beleza e de uma grande amenidade de temperamento. Sob esse duplo aspecto, tornou-se a filha de Labão uma impressionante figura da formosa e mansa Virgem Maria. Raquel foi sempre, por parte de Jacó, o objeto de um amor cuja ternura não se enfraqueceu jamais. A virgem Maria foi o objeto das complacências eternas e de uma predileção sem par da parte de Deus. Mas o que de mais significativo é que Raquel foi a mãe de José. José foi vendido por seus irmãos e levado para o Egito. Esta venda proporcionou depois a salvação do Egito e o Faraó o declarou salvador do mundo. Jesus foi vendido por Judas aos Judeus e esta venda operou a salvação de nossas almas. José perdoou, alimentou com o trigo, enriqueceu e salvou seus irmãos da morte. Jesus também perdoou do alto da cruz e continua perdoando pelo sacramento da Reconciliação; alimenta com a Eucaristia e nos enriquece com a sua graça e dons do divino Espírito Santo. Por fim, Jesus é o Salvador do mundo e vencedor do pecado e da morte. “Do Egito o curador de Raquel nasceu, do mundo o Salvador Maria no-lo deu”.

RELÓGIO ATRASADO - 2Rs 20,8-11; Is 38,7-8. O episódio bíblico referido aqui é o da cura obtida pelo rei Ezequias por intervenção do profeta Isaías. Quando este anunciou ao rei que ficaria curado, ele não quis acreditar sem antes ver um sinal do céu, que confirmasse as palavras do Profeta. Isaías então disse que a sombra do sol, com a qual se marcavam as horas no relógio solar, haveria de atrasar dez graus, como se as horas do dia voltassem atrás. Para entendermos que semelhança pode haver entre esse relógio e Maria Santíssima, temos de ler a estrofe seguinte (Para que o homem suba às sumas alturas / desce Deus dos céus para as criaturas) que fala da descida de Deus até junto das criaturas. O Verbo se humilhou, tomando a forma de servo (Fl 2,7), quando se encarnou no seio de Maria; o sol que retrocede representa o Cristo que se rebaixa, fazendo-se homem. Então Maria é comparada ao relógio, no qual se realiza essa aniquilação do Sol divino. Outra analogia que se pode fazer é que em Nossa Senhora no momento de sua Concepção Imaculada o sinal da Redenção foi nela impresso antecipadamente, em virtude da previsão dos méritos do seu divino Filho. As sombras do pecado original foram como que recuando para dar passagem a essa alma predestinada, que deva irradiar ao mundo o Sol da Justiça, Jesus Cristo, Salvador dos homens.

FIZESTE NASCER SOL TÃO FECUNDO - Cristo é a luz do mundo, é o Sol da Justiça. Cristo nasceu de Maria. A igreja recorda freqüentemente esse mistério de Maria: Fonte de Luz (São João Damasceno); Janela do céu pela qual o Pai derramou sua luz (São Fulgêncio); Maria é a Mãe da Luz: da luz que ilumina os próprios Serafins; da Luz que ilumina os últimos confins da terra; da Luz que disse Eu sou a luz do mundo; da luz que iluminou todas as coisas que estão no céu e na terra (Santo Epifânio). Deus prometeu através do profeta Malaquias: “Para vós que temeis o meu Nome brilhará o Sol da Justiça” (Ml 3,20). Esse Sol é o Cristo Salvador, que faz Maria resplandecer com sua Luz, pois Ele é a luz do mundo (Jo 8,12). Por isso São João viu Maria no Apocalipse como “uma mulher vestida com o sol” (Ap 12,1).

OS CEGOS ERRADOS VÓS ALUMIAIS - a nós que muitas vezes erramos o caminho, cegos pelas ilusões do mundo, Nossa senhora nos aponta aquele que é o “Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6) dizendo-nos como nas bodas de Cana “fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5).

E COMO COM NUVENS COBRISTES O MUNDO - Eclo 24,6: “À semelhança de uma névoa, eu cobri a terra toda”. Esta nuvem é um símbolo de Maria:
1º) porque cobriu a miséria e nudez dos homens com a sua misericórdia e graça; 2º) porque aquece a nossa tibieza e desânimo, tornando-os fervorosos e ativos; 3º) porque assim como, quando vem a névoa e sopra o vento norte, desaparecem o gelo e os rigores do vento sul, ficando a terra fecunda, assim também, por Maria, que atrai o Espírito Santo– sopro vindo do céu – dissolve-se o gelo e quebra-se a dureza de nosso coração, ficando desse modo fecundo. Em Puebla os Bispos disseram:“Maria não vela apenas pela Igreja. Tem um coração tão grande quanto o mundo e intercede ante o Senhor da história por todos os povos. Isto bem registra a fé popular, que põe nas mãos de Maria, como Rainha e Mãe, o destino de nossas nações” (289).

RAINHA DE CLEMÊNCIA - Esse título celebra a benignidade, generosidade e dignidade de Maria, que elevada aos céus, realiza a figura da rainha Ester (Est 4,17) e sem cessar roga a seu Filho pela salvação do povo, que confiante se refugia junto a ela nas tribulações e perigos. A Virgem Maria é, portanto, a Rainha Clemente que, conhecedora singular da misericórdia de Deus, acolhe todos os que junto dela se refugiam. Por isso é chamada consolação dos penitentes e esperança dos aflitos. A Virgem Maria, no céu, apresenta constantemente as necessidades dos fiéis ao Filho como o fez em Caná (Jo 2, 1-11).
DE ESTRELAS COROADA - Em Ap 12,1, aparece no céu, como um grande sinal, a Mãe do Messias, coroada de doze estrelas. A liturgia aplica esse texto à

Assunção de Maria, na qual “se nos manifestam o sentido e o destino do corpo santificado pela graça. No corpo glorioso de Maria, começa a criação material a ter parte no corpo ressuscitado de Cristo. Maria é a integridade humana, corpo e alma, que agora reina intercedendo pelos homens, peregrinos na história”
(Puebla 298).

ESTAIS DE OURO ORNADA - O Salmo 44 composto para celebrar as núpcias do rei, descreve o cortejo formado pelas princesas que os monarcas. A rainha,

que traja vestes douradas e está à direita do rei, simboliza Maria que, “ao lado do Rei dos séculos, resplandece como Rainha e intercede como Mãe” (Paulo VI, Exortação Apostólica Marialis Cultus, 6).

MÃE DA GRAÇA - Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem é o único mediador sempre vivo a interceder por nós ao Pai (Tm 2,5; Hb 7,25). Mas a Santíssima Virgem é mãe e medianeira da graça porque Deus Pai por misterioso desígnio da providência, a constituiu mãe e companheira do Redentor. Mãe da graça é a Santíssima Virgem porque foi a que trouxe em suas castas entranhas ao Deus e homem verdadeiro e nos deu o próprio Autor da graça.

SEGURO PORTO AOS NAVEGANTES - Para os que enfrentamos as tempestades deste mundo, Maria é “vida, doçura, esperança nossa”. Santo Afonso diziaque a devoção a Maria é sinal seguro de salvação; afirmou também que um verdadeiro devoto de Maria não se perde, pois ela tudo alcança junto de seu Filho em favor dos que a invocam.

ESTRELA DO MAR - Santo Tomás explica assim esse título de Maria: “Assim como por meio da estrela do mar os navegantes são orientados para o porto, assim os cristãos por meio de Maria são conduzidos para a glória. E é precisamente este o significado do nome Maria: Senhora do mar. O mar pode ser entendido como nossa vida cujas saudades lembram as distâncias do Porto, cujas vaidades crescem e se desmancham como as ondas; cujo tédio as vezes cansa e desanima como as calmarias; cujas tentações sacodem e abalam como os ventos fortes. Maria é a Estrela do Mar, pois quando aparece tranqüiliza nossa saudade, acalma todas as nossas ondas, suaviza o nosso viver com a doce aragem de seu carinho materno, diminui as tentações e desmancha as nuvens da tempestade.

SAÚDE CERTA - A salvação de Deus atinge o homem todo, seu corpo, sua alma, seu espírito; tanto como peregrino na terra, como habitante do céu. pela salvação alcançada por Cristo do Espírito Santo, a condição do homem muda inteiramente: a opressão se converte em liberdade, a ignorância em conhecimento da verdade, a aflição em alegria, a morte em vida, a escravidão do pecado em participação da natureza divina. Contudo, a absoluta e perfeita salvação, o homem não a pode alcançar neste mundo: sua vida está sujeita à dor, à enfermidade, à morte. A salvação de Deus é o próprio Jesus Cristo, que o Pai enviou ao mundo como Salvador do homem e médico dos corpos e das almas, como o chama a liturgia referindo-se às palavras de Santo Inácio de Antioquia. Nos dias de sua vida mortal, cheio de misericórdia, curou muitos doentes, libertando-os muitas vezes também das chagas do pecado(Mt 9,2-8; Jo 5,1-14). Também a Santíssima Virgem, como Mãe de Cristo, salvador do homem, e Mãe dos fiéis, socorre com muito amor seus filhos aflitos. Por isso freqüentemente os enfermos acorrem a ela, vão muitas vezes aos seus santuários, para obter saúde por sua intercessão. Nos santuários marianos encontram-se muitos testemunhos desta confiança dos enfermos para com a Mãe de Cristo. Na Ladainha, também invocamos Maria como “saúde dos enfermos”. Por meio de sua poderosa intercessão, recuperam a saúde os doentes de qualquer espécie. Como seu Filho“passou pelo mundo fazendo o bem” (At 10,38), Nossa Senhora não se cansa de zelar pela felicidade de seus filhos.

ÓLEO DERRAMADO - Essa imagem é tirada de Ct 1,2: “Teu nome é como umóleo escorrendo”. O óleo tem as propriedades de alimentar, curar, fortalecer, perfumar; assim os que invocam o nome de Maria com confiança experimentam e sua vida que “a devoção à virgem Santíssimaé um auxílio poderoso para o homem em marcha para a conquista da sua própria plenitude” (Paulo VI, Exortação Apostólica Marialis Cultus, 57). Maria é o óleo que Jesus, Bom Samaritano, derramou em nossas feridas. O óleo apaga o fogo na pedra e o alimenta na madeira. Assim procede Maria com nosso coração que, quando tornado pedra pelo fogo das paixões, sente que se apaga esse fogo com o nome da Mãe de Deus; e quando arde no amor divino, sente crescer esse ardor no óleo deste mesmo Nome. Ainda se diz: o vosso nome, ó Maria, escrito ou pronunciado, ou somente imaginado, mantém, alenta, restaura, ilumina e alegra.

Fonte: urbanomedeiros

Em Nossa Senhora e por Ela é que o Filho de Deus se fez homem para nossa salvação





O mundo era indigno, diz Santo Agostinho, de receber o Filho de Deus diretamente das mãos do Pai. Por isso, Ele o deu a Virgem Maria a fim de que o mundo o recebesse por meio dEla. Em Nossa Senhora e por Ela é que o Filho de Deus se fez homem para nossa salvação.

Deus Espírito Santo formou Jesus Cristo em Maria Santíssima, mas só depois de lhe ter pedido consentimento por intermédio de um dos primeiros ministros da corte celestial.

A conduta das três pessoas da Santíssima Trindade, todos os dias na Igreja, é a mesma que teve na encarnação e primeira vinda de Jesus Cristo, e esse procedimento há de perdurar até a consumação dos séculos, na última vinda de Cristo.

A Virgem Maria é o Santuário, o repouso da Santíssima Trindade em que Deus se encontra mais magnífica e divinamente que em qualquer outro lugar do universo.

Devemos, portanto, exclamar com o apóstolo: os olhos não viram, o ouvido não ouviu, nem o coração do homem compreendeu as belezas, as grandezas e excelências de Nossa Senhora, o milagre dos milagres da graça, da natureza e da glória (ICor 2,9).

Pensamentos de São Luis de Montfort

domingo, 27 de novembro de 2011

Papa no Angelus: "O verdadeiro dono do mundo não é o homem, mas Deus"





Cidade do Vaticano (RV) - Bento XVI conduziu a oração mariana do Angelus, deste I Domingo do Advento, na Praça São Pedro, no Vaticano, repleta de fiéis e peregrinos que ouviram as palavras proferidas pelo Papa.

O Santo Padre iniciou o Angelus destacando o início do novo Ano Litúrgico: "Um novo caminho de fé que deve ser vivido juntos nas comunidades cristãs, mas também, como sempre, um caminho que deve ser percorrido dentro da história do mundo, para abri-la ao mistério de Deus, para a salvação que vem de seu amor. O Ano Litúrgico inicia-se com o Tempo do Advento: tempo maravilhoso em que se desperta nos corações a espera do retorno de Cristo e a memória de sua primeira vinda, quando se despojou de sua glória divina para assumir a nossa carne mortal."

O Papa frisou que o apelo de Jesus no Evangelho de hoje a vigiar é um convite dirigido não só aos seus discípulos, mas a todos nós: "É um convite salutar para nos lembrar que a vida não tem apenas a dimensão terrena, mas é projetada rumo ao além, como uma plantinha que brota da terra e se abre para o céu. Uma plantinha pensante, o ser humano, dotada de liberdade e responsabilidade, por isso cada um de nós será chamado a prestar contas de como viveu, como utilizou suas capacidades: se as guardou para si ou as fez frutificar em favor do bem dos irmãos."

O Santo Padre recordou que Isaías, o Profeta do Advento, nos faz refletir hoje com uma oração sincera, dirigida a Deus em nome do povo. "Ele reconheceu as falhas do seu povo e disse: Não há quem invoque o teu nome, quem acorde para em ti se apoiar, pois escondeste de nós a tua face, deixaste que, como onda, a força dos nossos pecados nos arrastasse" – disse Bento XVI citando o Profeta Isaías.

Segundo o Papa, tal descrição parece refletir certos panoramas do mundo pós-moderno: "As cidades onde a vida tornou-se anônima e horizontal, em que Deus parece estar ausente e o homem o único senhor, como se ele fosse o criador e o diretor de tudo: as construções, o trabalho, a economia, os transportes, as ciências, a tecnologia, tudo parece depender somente do homem. E às vezes, neste mundo que parece quase perfeito, acontecem coisas chocantes, ou na natureza, ou na sociedade, que nos leva a pensar que Deus tenha se retirado, nos tenha abandonado."

"Na realidade, o verdadeiro dono do mundo não é o homem, mas Deus. O Tempo do Advento chega a cada ano para nos lembrar isso, a fim de que a nossa vida reencontre sua orientação justa, em direção à face de Deus. A face não de um patrão, mas de um Pai e amigo" – concluiu o Papa que concedeu a todos a sua bênção apostólica. (MJ)

Sermão para o Advento


Santo Aelredo de Rievaulx (1110-1167), monge cisterciense

A vinda do Senhor
Eis que chegou para nós, irmãos muito caros, o tempo em que devemos «cantar o amor e a justiça; para ti, Senhor» (Sl 100,1). É o advento do Senhor, a vinda do Mestre todo-poderoso, d'Aquele que é, que era e que há-de vir (Ap 1,8). Mas como e onde há-de vir; como e onde vem? Não disse Ele: «Porventura não sou Eu que encho o céu e a terra?» (Jr 23,24) Como virá então ao céu e à terra Aquele que enche o céu e a terra? Escuta o Evangelho: «Ele estava no mundo e por Ele o mundo veio à existência, mas o mundo não O reconheceu». (Jo 1,10). Ele estava, pois, simultaneamente presente e ausente; presente pois estava no mundo; ausente porque o mundo não O conheceu. [...] Como não estaria distante Aquele que não era reconhecido, em Quem não se acreditava, que não era venerado, que não era amado? [...]


Ele vem, pois, para conhecermos Aquele que não foi reconhecido; para acreditarmos n'Aquele em Quem não se acreditava; para venerarmos Aquele que não foi venerado; para amarmos Aquele que não era amado. Aquele que estava presente pela Sua natureza vem na Sua misericórdia. [...] Pensai um pouco em Deus e vede o que representa para Ele abdicar de tão grande poderio, como Se humilha tão grande poder, como Se fragiliza tão grande força, como Se torna insensata tão grande sabedoria. Será por dever de justiça para com o homem? Certamente que não! [...]


Na verdade, Senhor, não foi minha justiça, mas a Tua misericórdia, que Te guiou; não foi a Tua indigência, mas a minha necessidade. Efectivamente, Tu disseste: «a Sua fidelidade é eterna como o céu» (Sl 88,3). E assim é, porque a miséria abundava sobre a terra. Eis porque «cantarei, Senhor, a misericórdia» que manifestaste aquando da Tua vinda. [...] Quando Te mostraste humilde na Tua humanidade, poderoso nos Teus milagres, forte contra a tirania dos demónios, indulgente no acolhimento dos pecadores, tudo isso proveio da Tua profunda bondade. Eis porque «cantarei, Senhor, a misericórdia» que manifestaste aquando da Tua primeira vinda. E merecidamente, pois «Senhor, a terra está cheia da Tua bondade» (Sl 118,64).