domingo, 12 de fevereiro de 2012

Flor do Céu



Ah! de sua estirpe, de sua linhagem de ouro, quando esta flor caiu do céu,
para perfumar os pequenos vales de Israel,
quão suaves eram os ventos a passar pelas nuvens!
Viste nascer, ó Saron, rosas desconhecidas!
Tuas palmeiras, ó Gades, emocionadas num puro suspirar,
rejuvenescidas, embalaram tuas palmas no azul!
Teu cedro, ó velho Líbano, negro como sombra profunda,
certo que estava a rever os primeiros dias do mundo,
saudou o sol que brilha sobre o Éden!
O perfume esquecido do antigo jardim,
como apreciada lembrança e promessa,
dos filhos do exílio suavizou a tristeza e,
celestes vozes, em cantos harmoniosos,
revelaram teu nome, Maria,
para o universo em regozijo.


Charles-Marie Leconte de Lisle (1818-1894)

Nenhum comentário: