sábado, 13 de outubro de 2012

HOMILIA PARA O 28º DOMINGO DO TEMPO COMUM - MÊS MISSIONÁRIO

“BRASIL MISSIONÁRIO, PARTILHA A TUA FÉ!” Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé! “Estamos no segundo final de semana do mês de outubro, Mês dedicado às Missões e ao Rosário. A leitura do evangelho deste domingo traz presente a dimensão vocacional. Quem pode ser salvo? Perguntam, com espanto, os discípulos. Todos aqueles que aderem a Deus e a seu Reino, o considerando como sua verdadeira e maior riqueza. ‘Em comparação com ele (a sabedoria a que se refere a 1ª leitura), julguei sem valor a riqueza’ (cf. Sb 7,8), pois ‘uma riqueza incalculável está nas suas mãos’ (v. 11b). Na segunda leitura, continuamos a ouvir a Carta aos Hebreus, iniciada no domingo passado, a qual se estenderá até a Solenidade de Cristo Rei do Universo. Neste domingo, refletimos sobre a profundidade da Palavra. ‘Assim como fez o homem rico, Jesus nos dirige sua palavra viva, que nos convida a abandonar tudo o que não condiz com o evangelho a fim de sermos seguidores dele. Nem a todos o Senhor pede o abandono de tudo para segui-lo, mas a todos mostra que o acúmulo e o enriquecimento ilícito não combinam com os valores do reino por ele pregado. Deixemo-nos tocar e julgar pela palavra de Deus, a qual não se reduz a leis e regras a serem cumpridas. Ela nos fornece sabedoria para discernirmos o que é importante e o que deve ser deixado de lado, no seguimento de Jesus. Precisamos da sabedoria divina para discernir os valores importantes. Os passos do discipulado cristão são: viver os mandamentos de Deus, partilhar os bens e seguir Jesus. A Carta aos Hebreus nos mostra a importância e o valor da palavra de Deus para as comunidades” (cf. Liturgia Diária de Outubro de 2012 da Paulus, pp. 49-52).’ Embora não se esgote nisso, três ideias podem nortear a reflexão deste domingo: 1º) o seguimento de Jesus (quer na vocação de todo batizado, quer na vocação específica) requer desapego e disponibilidade (isto é, colocá-lo em primeiro lugar); 2º) sábio é aquele que prefere a sabedoria de Deus em lugar de todos os bens e promessas humanas; 3º) a consequência do desprendimento dos bens é a partilha. ‘Penso que há uma grande diferença entre ser sábio e ser sabido. O sabido é quem possui grande quantidade de informações, títulos, diplomas, bens perecíveis, prestígios, funções e cargos, sem saber administrá-los ou achando que é a pessoa mais feliz e reconhecida do mundo por isso. Pobre coitado! Esvazia-se de Deus, para endeusar-se sobre os outros. Como isso é frequente em nossas Comunidades Eclesiais, Políticas e Sociais. É vazio e oco do essencial. Julga os outros sem piedade, pensando ser o melhor, porque demonstra ser ‘certinho e cumpridor das regras, pelos menos aquelas que o determinam melhor sobre os demais. Coisa feia, quando percebemos tais atitudes, sobretudo em ministros ordenados, políticos, artistas e representantes do Povo. Confinado num pedaço de madeira no dia em que seu nome ecoar na eternidade, deixará tudo para trás. E vazio de Deus não terá como transcender à eternidade feliz, o fim último de todas as criaturas humanas! Já o sábio, tendo ou não ‘muitas coisas’, pede sua participação na sabedoria divina. Sabe administrar todos os dons e qualidades que lhe são concedidos, gratuitamente, pelo Criador de tudo. Não se importa com elogios, não necessita de reconhecimentos e nem de títulos e prestígio. Há maior prestígio do que o elogio vindo do coração misericordioso do Senhor? Façamos a Leitura Orante da página do Livro da Sabedoria deste domingo, que nos orienta tão claramente sobre esta questão. Quem não mergulhar nas profundezas do apelo de Deus nesta página, ainda está longe do Reino. E tudo aquilo ou aquele que não é de Deus cai. Um dia cai.’ ‘Que se deve fazer para receber a vida eterna?’. Eis uma pergunta que cada um de nós também faz, em seu coração, com estas ou outras palavras semelhantes. Jesus responde que, inicialmente, se deve viver conforme os mandamentos, porém, o simples cumprimento das obrigações não é suficiente, é exigida do coração uma opção que assuma o Reino de Deus e o seguimento como a maior riqueza da vida; exatamente como ilustra a parábola do tesouro encontrado no campo (cf. Mt 13,44-46). Cabe-nos o questionamento a respeito da importância que atribuímos ao Reino e ao seguimento. A ‘formula’ para calcularmos essa importância é através do desapego. O que seríamos capazes de renunciar, em função do Reino? O ensinamento de Jesus aqui não é tanto sobre o desprezo dos bens, como se eles não tivessem valor em si mesmos, mas o de que o Reino deve ser colocado em primeiro lugar por todo aquele que quiser ganhar a vida eterna. Quais as coisas que se antepõem ao Reino, na sociedade de hoje? Quais delas se fazem presentes em minha vida pessoal e se antepõem ao Reino? Na dimensão da partilha, destacada nos textos deste domingo, vê-se a certeza de que o desapego, em nome do seguimento de Jesus, não é em vão, mas produz ‘cem vezes mais’ (cf. v.30). A partilha garante ‘um tesouro no céu’ (cf. v.21). Diante dessa Palavra, nos confrontamos com o egoísmo e materialismo do mundo de hoje, misturados ao individualismo, ao acúmulo de bens e ao vazio da laicização (um mundo que nega o valor, como palavra digna de crédito, da religião institucionalizada). Cabe aos cristãos de hoje reassumirem, com coragem, a prioridade do Reino sobre todos os desvalores egoístas e apegados do mundo atual. Cabe-lhes testemunharem a Sabedoria da Palavra de Deus que é ‘viva, eficaz e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes’ (cf. Hb 4,12). Seremos perseguidos (cf. Mc 10,30), mas receberemos a vida eterna e cem vezes mais felicidade do que a recebida na lógica do mundo do egoísmo e do apego” (cf. Roteiros Homiléticos n. 23 da CNBB, pp. 58-64). “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5,3). Existe uma diferença entre ser Pobre em espírito e Pobre de espírito. O pobre em espírito sempre tem espaço para o amor de Deus em seu coração, e faz a experiência de Sua Sabedoria e Misericórdia em suas relações. Já o pobre de espírito é aquele autossuficiente, arrogante, prepotente, que pensa bastar-se a si mesmo. Para muitos de nós sermos os ricos fadados à miséria eterna, porque vazios de Deus, só nos falta mesmo o dinheiro, pois até pose de ricos já temos. Quem não sonha em ser rico, tendo sempre mais coisas do que possui? Eis o convite à nossa conversão: “estarmos nus e descobertos aos olhos de Deus; sendo do jeito que somos de verdade” (cf. Hb 4,13b). Desejando-lhes muitas bênçãos, com ternura e gratidão, meu abraço sempre fiel e amigo, Padre Gilberto Kasper (Ler Sb 7,7-11; Sl 89(90); Hb 4,12-13 e Mc 10,17-30)

Nenhum comentário: