quarta-feira, 10 de abril de 2013

A intimidade com Nosso Senhor será muito facilitada por meio de uma profunda devoção a Maria



A propósito dos fundamentos da vida interior, não podemos tratar da ação de Cristo, mediador universal, sobre o seu corpo místico, sem falar da influência de Maria Medianeira. 

Vários, dizíamos, se iludem, pretendendo alcançar a união com Deus, sem recorrer, constantemente, a Nosso Senhor, que é o Caminho, a Verdade e a Vida. Haveria, igualmente, um erro em querer chegar a Nosso Senhor sem passar por Maria, que a Igreja chama, em uma celebração especial, de Medianeira de todas as graças. (...)
 

Sem chegar a este desvio, há católicos que, certamente, não acham necessário recorrer a Maria para chegar à intimidade do Salvador. O Bem-aventurado Grignion de Montfort fala até mesmo de "Doutores que só conhecem a Mãe de Deus de forma especulativa, seca, estéril e indiferente; eles temem que as pessoas abusem da devoção à Santíssima Virgem, o que seria uma injúria a Nosso Senhor, a de honrar excessivamente a sua santa Mãe. Se falam da devoção a Maria, não é para recomendá-la, mas simplesmente, para aniquilar os abusos que são feitos em relação ao suposto exagero; eles parecem acreditar que Maria seja um impedimento para se alcançar a união com Deus.
 

Diz o Bem-aventurado Monfort que é falta de humildade negligenciar os mediadores que Deus nos deu para nos auxiliar em nossa fraqueza. A intimidade com Nosso Senhor, na oração, nos será bem facilitada, por meio de uma verdadeira e profunda devoção a Maria.


Padre Reginald Garrigou-Lagrange, OP,
 
As Três Idades da Vida Interior, cap. VI Editions Le Cerf, 1938

Nenhum comentário: