sábado, 19 de outubro de 2013

COMENTANDO A PALAVRA DE DEUS


Vigésimo Nono Domingo do Tempo Comum
Dia Mundial das Missões
Obra Pontifícia da Infância Missionária

“Juventude em Missão”.
A quem eu te enviar, irás” (Jr 1,7b).


            A Palavra de Deus do Vigésimo Nono Domingo do Tempo Comum, Dia Mundial das Missões e da Obra Pontifícia da Infância Missionária nos remete ao tema da oração, nossa relação direta com Deus, do discipulado, nossa relação direta com Jesus Cristo, e da missão, nossa relação direta com o mundo, nesta mudança de época!
            Falar de oração, em nosso tempo, nem sempre é fácil. As pessoas de nosso tempo falam umas com as outras, como nunca antes. Mas como se comunicam? Basta observarmos um pouco, pessoas em encontros sociais, de trabalho ou no simples hodierno: elas (as pessoas) falam com diversas outras pessoas ao mesmo tempo. Temos diante de nós, pessoas que falam conosco, sim, porém, com um ou mais celulares ou outros aparelhos da modernidade de um mundo tecnologicamente avançado, porém virtual, conectados!
            Encontrar um sentido novo, mais burilado em nossa forma de rezar, é talvez, a intenção da Palavra de Deus deste domingo, desde Moisés no Livro do Êxodo, de Jesus no Evangelho de Lucas e dos conselhos de Paulo em sua Segunda carta a Timóteo. Afinal, a oração é o meio mais eficaz de dialogarmos com Deus. E na qualidade de nossa oração, que encontramos ou não, a confiança no amor de Deus para conosco. Só nos abrimos de todo coração, em quem confiamos de verdade. Só nos sentimos felizes e à vontade com quem amamos e queremos bem. O desabafo é sinal de confiança; significa confiar nossas aflições a alguém que sabe ouvir, entender e aceitar nossas limitações e fraquezas, que não poucas vezes nos levam a crises, angústias e depressões. Ou seja, a oração surge dos momentos nossos de todos os dias. Daí a importância da consciência de vivermos em oração sempre, dialogando com Deus que nos ama loucamente e seguramente quer estar em constante comunicação conosco.
            Para rezar, é preciso situar-nos num contexto. Como realidade absoluta de Deus; e Deus é inacessível à nossa realidade. Por isso, não devemos “negociar” com Ele; seria a mesma coisa, como falar num telefone desconectado. Se nossa realidade íntegra (total) não contém uma referência interna de Deus, e se não interferir em todas as ordens, nossa relação autêntica será impossível. Por isso, vivemos numa exigência interna de Deus (cf. Santo Agostinho de Hipona). São Paulo afirma: “Cristo é a imagem visível de Deus que é invisível” (cf. Cl ,15). A forma como Deus chega pessoalmente até nós, é o amor ao próximo; daí nunca esquecermos o novo mandamento do Amor!
            Por outro lado, na relação com Deus, não há nenhuma mediação legal, nem ritual (cf. Hb 8,8-12; Jr 31). Deus se relaciona com a pessoa através de uma lei escrita no Antigo Testamento, através de uma estrutura social, de preceitos. Agora já não está a lei fora da pessoa, e sim dentro, em seu interior. Por isso, a relação de Deus com a pessoa se faz de forma direta, profunda, em seu interior, em seu coração que significa o mais profundo do ser humano. Com Paulo VI poderíamos dizer, que Deus adentra ao “sacrário humano, a consciência da pessoa”, e mergulha aos porões de sua intimidade, para soprar-lhe do silêncio de seus dóceis lábios, uma declaração de amor ao ouvido de quem está disposto a acolhê-lo.
            Uma das formas místicas e belíssimas de dialogar com Deus é o próprio silêncio, num mundo tão conturbado e barulhento. “Deus é de longos silêncios e raras palavras...”. Não podemos correr o risco de não ouvir o que Deus tem a nos dizer.
            Conta uma pequena estória, que em determinada Igreja, por volta do meio-dia, um homem entrava na Matriz e sentava-se no último banco. Nada dizia. Apenas ficava sentado lá, olhando para frente, sem pestanejar. As zeladoras daquela Igreja, preocupadas, achando que poderia tratar-se de um mal-feitor, pediram que o padre falasse com o homem. Ao perguntá-lo o que fazia todos os dias, no mesmo horário, no último banco da Igreja, ouviu do homem simples: “Senhor Padre, venho aqui todos os dias e olho para Ele e Ele olha para mim. Tem algum problema que eu faça isso?”. O padre retrucou: “Mas o senhor olha para quem, se a Igreja está sempre vazia quando vem aqui?”. O homem concluiu: “Eu olho para Jesus! Não é ele que está naquela caixinha dourada (sacrário)?”. O padre envergonhado passou a fazer, desde aquele dia, companhia mais assídua, em espírito de oração, a Jesus Sacramentado.
            Mas a Palavra de Deus, que trata com delicadeza o tema da oração, quer mais: nossa oração não pode ser individualista, pidona ou simplesmente preceitual. A oração precisa produzir frutos com sabor de justiça, já que o Reino de Deus é um reino de justiça. Logo, onde não há justiça, não há Reino de Deus. Nossa oração deve refletir esperança aos que são oprimidos, pobres, enfermos e desolados. Oração sem confiança não produz esperança. E comunidade sem esperança é inútil. Como diz o Papa Francisco, não passa de uma ONG piedosa.  Assim sendo, nossa oração deverá trabalhar nosso discipulado e nossa missionariedade, justamente no Dia Mundial das Missões!
            Em 2007, o Santuário Nacional de Aparecida, sediou a 5ª Conferência do Episcopado Latino-Americano e Caribenho, debatendo, como tema central a Missão, sob o lema: “Discípulos e missionários de Jesus Cristo, para que n’Ele nossos povos tenham vida.” Marcado pelas palavras “missão” e “missionários”, o texto base resultante dessa conferência (presidido pelo Papa Francisco, o então Dom Jorge Mario Cardeal Bergoglio) constitui um grande entusiasmo para impulsionar a forma como nossa Igreja, na América Latina e no Caribe, propõe e incentiva a missão.
            E é, finalmente, o Dia da Coleta Mundial para as Missões. Distribuímos os envelopes, que deverão ser devolvidos neste domingo, contendo a partilha de nossa pobreza, em favor de nossos missionários e missionárias, dos quais não poucos passam grandes dificuldades em seu dia-a-dia, anunciando o Reino de Deus e fazendo conhecido Jesus a milhões de pessoas, muitas vezes passando fome. Enquanto em Ribeirão Preto (SP) usufruímos de mais de 200 Missas Dominicais, semanalmente, em lugares de missão, como na Amazônia, nossos irmãos passam anos sem celebrarem a Eucaristia. Um de nossos Padres, ao chegar a uma Comunidade Ribeirinha na Prelazia de Itaquatiara, na Amazônia, no início do Projeto Missionário de nossa Arquidiocese, leu uma faixa com os seguintes dizeres: “Seja bem-vindo Padre. Faz cinco anos que não vemos um!”.
            Ao distribuir os envelopes à minha Comunidade de Fé, Oração e Amor, sugeri, que durante este Mês Missionário, abríssemos mão de alguma guloseima, coisas supérfluas ou até mesmo de algum alimento ou vestuário secundários e colocássemos o resultado de tal renúncia como oferta generosa em favor de nossos missionários. Que ninguém: nem Padres e nem Conselhos Econômicos deixem de enviar à Cúria toda a coleta arrecadada neste Dia Mundial das Missões em todas as celebrações, e também fora delas. Nossa oração exige isso de nós: honestidade, justiça, transparência e generosidade. Só assim nosso amor terá cheiro de Deus. Quem retiver um único centavo, mesmo tendo rezado direitinho, cheirará a mofo, bolor e corrupção. Não sejamos, por favor, “mensaleiros eclesiásticos e pastorais”. Como exercer nossa missão profética de formar consciência crítica de justiça, de ética e de amor ao próximo, se não formos diferentes de tantos de nossos governantes (a minoria não), que tratam nosso povo, de um lado, como “galinhas” com as tais bolsas daqui e dali, mas de outro lado, tirando-lhes as mesmas migalhas da boca, com o vergonhoso desvio de verbas destinadas à saúde, saneamento básico, educação, moradia digna e oportunidades de trabalho justamente remunerado? Que Deus estampado no rosto de nossos missionários não se decepcione conosco!
            Sejam todos sempre muito abençoados. Com ternura e gratidão, meu abraço,
Pe. Gilberto Kasper
(Ler Ex 17,8-13; Sl 120(121); 2Tm 3,14-4,2 e Lc 18,1-8).


Nenhum comentário: