sábado, 14 de fevereiro de 2015

SEXTO DOMINGO DO TEMPO COMUM


COMENTANDO A PALAVRA DE DEUS
  

Meus queridos Amigos e Irmãos na Fé!

            Se puder escolher duas palavrinhas centrais que nos remetem à Palavra de Deus proclamada neste Sexto Domingo do Tempo Comum, seria: Compaixão e Dignidade! Trata-se de uma Compaixão Especial e de uma Dignidade Integral! Não uma dó apenas, e nem uma esmolinha a quem se encontra em dificuldades, principalmente portadores de doenças contagiosas, incuráveis, como a lepra! Tanto a Compaixão como a Dignidade implicam em compromisso. Da dó passamos a comprometer-nos com a pessoa necessitada e sofredora.
          O Profeta Eliseu indica o caminho a Naamã que o procura para curá-lo de sua lepra. O Profeta não é milagreiro. Faz com que o enfermo faça sua parte; participe do processo de sua própria cura. De acordo com a página do Segundo Livro dos Reis, basta que Naamã se banhe sete vezes no Rio Jordão para adquirir a cura. Mas Naamã, ao invés, esperava algo de mão-beijada. Um milagre mais espetaculoso do que espetacular. Mas ouvindo seus servos, Naamã fez o que Eliseu lhe sugeriu e curou da lepra.
          Com frequência, também nós esperamos as coisas acontecerem ou corremos atrás de coisas espetaculosas. O espetacular é operado pelo próprio Criador, que deseja suas criaturas felizes e cheias de saúde, realizando-se com a dignidade que lhes é conferida, por serem as criaturas prediletas do próprio Deus. O grande espetáculo do milagre Deus já operou; basta que nos demos conta disso e vivamos de acordo com a Vontade de Deus para conosco, que não é outra, do que nossa própria felicidade e realização plena. Ir ao Rio Jordão hoje, significa ir ao médico, confiar nele, tomar os remédios e seguir suas orientações. Quem espera curas milagreiras, sem participar do processo do restabelecimento da saúde, acaba frustrado, porque Deus não é mágico e nós não somos suas petecas, porém suas criaturas prediletas, convidadas a colaborar na administração das curas de nossas enfermidades, sobretudo, da lepra do pecado!
  

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão,
tocou no leproso e disse:
‘Eu quero: fica curado!’” (cf. Mc 1,41).

            O Evangelho de São Marcos determina uma das principais atividades ministeriais da Missão de Jesus: com compaixão, devolver a dignidade aos enfermos, sobretudo aos excluídos da convivência social, por causa de suas doenças contagiosas, como no caso da lepra. O processo da cura começa com a vontade da pessoa de querer a saúde!
O querer a cura, implica em ter fé, confiança e disponibilidade de pedir: “Se queres, tens o poder de curar-me”. Ao perceber a fé de quem pede, Jesus imediatamente age com compaixão, respondendo: “Eu quero: fica curado!”. Muitos de nós, ao sentirmo-nos curados, damos por encerrado o processo. Não é bem assim. Jesus pede que as formalidades preceituais sejam cumpridas. Mais do que fazer promessas e até mesmo cumpri-las depois, Jesus espera engajamento na Comunidade de Fé, na Comunidade Eclesial, no Compromisso e no Testemunho de ternura, amor, compaixão e misericórdia para com os demais enfermos em nossas relações. Implica, também, em zelarmos por uma melhor qualidade de vida. Sem nossa efetiva participação, nada acontece. Somos os protagonistas de nossa própria saúde ou de nossas enfermidades.
            São Paulo, ao escrever sua Primeira Carta à Comunidade de Corinto nos indica como melhor agir, para que também nossas Comunidades gozem de saúde. A cura individual não combina com o cristianismo. Somos responsáveis pela saúde da Comunidade à qual somos inseridos. “Fazer tudo para a glória de Deus... Procurar agradar a todos em tudo, não buscando apenas o que é vantajoso para nós mesmos, mas para todos...”. Lembro-me bem dos três pecados paroquiais, que nosso saudoso Dom Arnaldo Ribeiro, sempre elencava em suas Visitas Pastorais, e que precisam ser superados: saudosismo, milindrismo e estrelismo. E a pior lepra a ser curada em nossas atividades ministeriais, pastorais e missionárias é a inveja, ao lado de outras como: carreirismo, competição entre agentes e clérigos, indiferença e insensibilidade com o bem-estar da Comunidade, omissão, hipocrisia, fofocas caluniosas, falta de transparência, para não dizer mentiras descabidas e a aguda falta de humildade!


“Deus seu povo visita,
seu povo meu Deus visitou!” (cf. Lc 7,16).


         
O médico que cura as enfermidades de nossas Comunidades é o próprio Cristo Jesus! Se não desviarmos nosso olhar, nosso coração, nosso discurso, nossas atividades pastorais do Messias, seremos saudáveis e protagonistas de Compaixão e de Dignidade num mundo que está simplesmente doente! Com a Campanha da Fraternidade deste ano, possamos colaborar para com a FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE – Eu vim para servir (cf. Mc 10,45).
          Sejam todos muito abençoados. Com ternura e gratidão, o abraço fiel.
Pe. Gilberto Kasper

(Ler 2 Rs 5,9-14; Sl 31(32); 1Cor 10,31-11,1 e Mc 1,40-45).

Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Fevereiro de 2015, pp. 55-58 e Roteiros Homiléticos da CNBB de Fevereiro de 2015, pp. 95-100.

Nenhum comentário: